Sete lições da vida de Abraão

Abraão é uma figura imponente, cuja presença enfeita as páginas de ambos os Testamentos da Bíblia. Ele é mencionado nada menos que setenta e três vezes no Novo Testamento. Paulo elogia aqueles que “andam nas pisadas daquela fé de nosso pai Abraão” (Rm 4. 12). Através de sua fé e obediência, o fundador da nação hebraica foi chamado de “amigo de Deus”. Is 41. 8, Tg 2. 23

Abrão (como era conhecido inicialmente) viveu na cidade chamada Ur, na região sul da Mesopotâmia. Muito possivelmente, Ur era a maior cidade do mundo antigo naquele momento. Estima-se que cerca de vinte e cinco mil pessoas viviam dentro dos limites da cidade, com até duzentos mil na área periférica. Casas de dois andares, com dez a vinte quartos de estreitas e tortuosas ruas.

No segmento noroeste da cidade era o templo imponente do deus da lua, em que antepassados de Abraão quase certamente adoraram (Js 24. 2). O solo regional era rico em produção de alimentos, o que permitia uma extensa negociação com as nações vizinhas. Ur era um próspero centro de fato.

O próprio Abraão era muito rico em ouro, prata e pecuária (Gn 13. 2). Ele tinha mais de 318 funcionários que tinham sido nascidos em sua casa (Gn 14. 14). Esta informação de base fornece o valor real para sua decisão de deixar este ambiente de conforto para a vida rigorosa de um nômade.

As peregrinações de Abraão

Como Abraão habitava em Ur, a glória de Deus apareceu para ele, cobrando o patriarca de deixar sua terra e parentes e ir para uma terra para a qual ele seria direcionado (Atos 7. 3). Veja abaixo Mapa de Ur dos Caldeus, local de origem de Abraão.

abraão
No mapa a antiga Ur dos Caldeus, origem de Abraão – Mapa da Wikipédia

Recolheu seus bens e  sua esposa, Sarai, seu pai, Terá, e seu sobrinho, Ló, ele fez o seu caminho em direção ao norte (cerca de 550 milhas) até que ele chegou a Harã. Peregrinou Abraão em Harã até que seu pai morreu com a idade de 205 anos. Gn 11. 32

Após a morte de Terá, o Senhor renovou sua promessa a Abraão, que tinha setenta e cinco anos na época, e o patriarca fez o seu caminho em direção ao sul-oeste até chegar a Canaã. Sua primeira parada foi em Siquém, cerca de 35 milhas ao norte de Jerusalém. Aqui, o Senhor lhe apareceu e confirmou sua promessa de que esta terra pertenceria algum dia a sua descendência (Gn 12. 7). Abraão construiu um altar e adorou ao Deus de Abraão.

Ele então se mudou para uma área perto de Betel, cerca de doze quilômetros ao sul, novamente, ele fez uma pausa para adorar (Gn 12. 8). Serpenteando em direção ao sul, em direção a essa região conhecida como Negeb. Abraão encontrou tempos difíceis, a fome apertou a terra, e ele optou por migrar mais para o sudoeste para o Egito.

O patriarca engana a  Faraó

Aqui, o patriarca cedeu à fraqueza. Como ele e Sarai se aproximavam da terra dos faraós, eles inventaram um plano enganoso para proteger a vida de Abraão no caso em que o rei quisesse Sarai para seu harém. Com certeza, quando o faraó procurou a bela senhora de 65 anos de idade. O Senhor “havia atormentado” o rei, que, posteriormente, discerniu a causa e pediu a Abraão para deixar a terra.

Quando o patriarca re-entrou em Canaã ele novamente acampou em Betel. Aqui desenvolveu uma contenda entre seus pastores e os de Ló, e assim uma separação foi proposta. Abraão mudou-se para o sul para Hebron, enquanto seu sobrinho desceu para o vale do Jordão e habitou em Sodoma.

Eventualmente, uma confederação de reis pagãos varreu a região e Ló foi levado cativo. Abraão empreendeu uma força de combate (que incluiu seus 318 funcionários), perseguiu o inimigo e resgatou Ló. No caminho para casa, o grande homem de fé conheceu o misterioso rei-sacerdote de Salém, a quem ele pagou dízimos.

Abraão quis dar uma “forcinha” a Deus

abraão
Na imagem Abraão agradece a Deus pela promessa, enquanto Sara ri

Conforme o tempo passou, e Sara permaneceu estéril, um plano foi criado para permitir que Hagar, uma escrava da família, para conceber a criança “prometida”, pois parecia impossível que Sara jamais seria capaz de dar à luz. Assim, quando Abraão tinha oitenta e seis anos, Ismael nasceu, um rapaz destinado a se tornar um “jumento selvagem de um homem”. Gn  16. 12

Descendentes de Ismael, os árabes, e os hebreus se tornaria amargos inimigos ao longo dos anos. Quando Abraão tinha noventa e nove anos, o Senhor iniciou o rito da circuncisão como um “sinal especial” do pacto que tinha feito com o povo hebreu. Gn 17. 09

A destruição de Sodoma e Gomorra

Depois, o Senhor fez saber a sua intenção de destruir Sodoma e Gomorra por causa da maldade dos habitantes das cidades, das quais a característica principal era a sua perversão sexual. Por incrível que pareça, nem mesmo dez justos poderia ser encontrado dentro de suas fronteiras.

Somente Ló e suas duas filhas, eventualmente, foram poupados. A derrubada dessas cidades é um monumento perpétuo contra o pecado da homossexualidade. Judas 7

Finalmente, Isaque, o filho prometido, nasceu. Abraão era de cem anos e Sara tinha noventa no momento. A família se mudou para a região mais meridional da terra e habitou em Beer-Seba. Depois de muitos dias passados, Jeová passou a colocar o patriarca em um teste.

O Senhor instruiu Abraão para levar Isaque para o Monte Moriá, e oferecer o rapaz como um sacrifício (Gn 22:01 ss). Josefo sugeriu que Isaque tinha vinte e cinco anos de idade na época (Antiguidades dos Judeus 1.13.2). O patriarca procedeu ao lugar designado, mas, como todo estudante da Bíblia sabe, o Senhor interveio e forneceu um sacrifício animal no lugar de Isaque.

A morte de Sara

Após algum tempo, veio o falecimento da amada Sara (com a idade de 127 anos – Gn 23. 01), e o grande homem de fé ternamente enterrou-a na caverna de Macpela, perto de Hebron, que ele havia comprado por quatrocentos siclos de prata.

Abraão viveu por mais 38 anos durante os quais ele se casou com Quetura, que lhe deu seis filhos (Gn 25. 1-6). Por fim, o patriarca morreu com a idade de 175 anos, e foi “congregado ao seu povo”, essa frase bonita que implica uma reunião com os entes queridos fiéis. 25. 7-8

Este tem sido um levantamento mais abreviado da vida de um dos maiores personagens da história do Antigo Testamento. A consideração de alguns desses episódios, no entanto, tem lições significativas. Vamos passar alguns momentos refletindo sobre alguns deles. Abaixo listamos as sete lições da vida de Abraão:

1- Abraão era um homem de abnegado

Tendo em vista a vasta riqueza que o cavalheiro possuía (Gn 13. 2), só podemos imaginar as participações de propriedade que ele tinha se renderam quando ele cedeu à ordem do Senhor e deixou sua Ur nativa.

Ele viveu o equilíbrio de sua vida de mais de um século como um andarilho, habitando em tendas ao longo do caminho (Hb 11. 9). Sua visão e dedicação, o conceito da vinda do Messias fez de todas as outras considerações subordinadas. João 8. 56

2- Abraão era um homem de convicção

Embora seus antepassados tinham sido idólatras (Js 24. 2), ele não se deixou influenciar por laços familiares, mas sim, ele lançou sua sorte com a pessoa que o criou. Como ao contrário de muitos que hoje medem sua atividade religiosa pelo que o pai ou a mãe acredita. Para Abraão, a verdade era mais importante do que uma conexão genealógica. A fé era mais grossa do que o sangue! Isso só faz sentido à luz de uma realidade eterna.

3- Abraão era um homem de fé e confiança

Frequentemente o termo “fé”, sugere a ideia de confiança, e este aspecto da palavra descreve bem Abraão, que frequentemente ao lembramos dele, o fazemos nos termos fé de Abraão.

Por causa de sua confiança em Jeová, o patriarca deixou sua terra natal e parentes, ele viajou cerca de mil milhas (“sem saber para onde ia” – Hb 11. 8), buscando a vontade do Senhor, apenas com a promessa de chegar a um destino que Deus lhe mostraria (At 7. 3). No mapa, nenhum radar estava disponível somente a mão benevolente do seu Criador.

Ao passar dos anos, e ele e Sara eram já velhos, e ainda o filho prometido não havia chegado, ele não enfraqueceu na fé, ele não vacilou por incredulidade, mas sim, ele foi fortalecido na fé e glorificava a Deus. Ele confiava que o Senhor poderia, e iria, superar qualquer obstáculo natural. Rm 4. 18-21

E quando a criança finalmente chegou, e foi chamado para sacrificar o rapaz, ele ainda confiava em seu Deus, o doador da vida, sabendo que, mesmo que o assassinato sacrificial fosse consumado, Jeová seria capaz de levantar Isaque dos mortos, e assim cumprir sua promessa. Hb 11. 17-19

4- Abraão era um homem de piedade

É interessante notar que quando este homem de Deus entrou na terra da promessa, ele imediatamente parou para adorar o Senhor, uma prática que ele passou a perseguir com determinação inabalável. Gn 12. 07, 8; 13. 4, 18

É claro que a devoção a Jeová não era um mero apêndice decorativo para a vida do patriarca. Ele tinha convicções profundas e sinceras a respeito de seu Senhor. Oh, como esse tipo de devoção “Deus em primeiro lugar” é necessária hoje entre a semente espiritual de Abraão. Gl 3. 29

5- Abraão era um homem generoso

Quando houve uma contenda desenvolvida entre seus pastores e os de Ló, em vez de exercer sua antiguidade, aquele servo gracioso do Senhor deu o seu sobrinho a primeira escolha do território circundante. Ló egoisticamente quis a região bem regada do vale do Jordão, no entanto, não havia uma palavra de murmúrio do tio bondoso”.

Mais tarde, quando o patriarca retornou de conquista dos reis pagãos que tinham invadido o território, e ele encontrou Melquisedeque, que era rei de Salém (mais tarde conhecido como Jerusalém) e sacerdote do Deus Altíssimo, deu a este santo dignitário de um décimo de tudo o que tinha (Gn 14. 20).

Quando Abraão poderia legitimamente ter tomado o “espólio”, que foi capturado, ele se recusou. Recusou-se a ter a obrigação de um pagão. Sua confiança estava em Jeová.

6- Abraão era resiliente

Em duas ocasiões, por causa de seu medo, ele se rendeu ao engano evidente a respeito de seu relacionamento com Sara. Embora as Escrituras não explicitamente afirmar que, sem dúvida, o patriarca foi tomado posteriormente de vergonha que ele havia transgredido a vontade do Deus da verdade. Dt 32. 4

Ele poderia muito bem ter jogado as mãos em desespero, mas ele abraçou o perdão do Céu e perseverou. Quantos hoje abandonaram sua fé, porque eles foram superados pela vergonha de seus fracassos?

Aliás, o próprio fato de que as falhas do grande líder são tão honestamente retratadas nas Escrituras é uma evidência incidental da natureza sagrada do registro de Gênesis. Em um documento construído estritamente por impulso humano, o autor poderia muito bem ter passado sobre essas manchas desagradáveis no silêncio de caridade.

7- Abraão era homem de lealdade

Abraão oferece um magnífico exemplo do que constitui a verdadeira lealdade a Deus. Seu caminho foi traçado geralmente por um curso de obediência inabalável. Sua fé não era uma fé filosofica. Quando ele foi chamado por Jeová, ele obedeceu, caminhando pela fé e não por vista (Hb 11. 8). A palavra “obedeceu” no texto significa literalmente ouvir menos. Isso implica o reconhecimento da autoridade do alto-falante, e reflete uma vontade de submeter-se ao mesmo.

Tiago declarou que quando Abraão ofereceu Isaque, ele foi justificado por suas obras. Do patriarca a fé cooperou com as suas obras, e que pelas obras a fé foi completa.” O escritor inspirado argumenta que foi apenas em sua obediência que pode-se dizer que Abraão creu em Deus, e que o Senhor, portanto, o contabilizou como justo.

Temas Relacionado:

A vida de Abraão está repleta de lições que a pessoa sincera de Deus pode lucrar. Se pudermos aprender com estas verdades valiosas, nós também podemos ser caracterizados como “o amigo de Deus”, como o profeta era (Tg 2. 23). Vamos, portanto, “andem nas pisadas daquela fé de nosso pai Abraão”. Rm 4. 12

Artigo original In the Steps of Abraham do Christian Courier e traduzido para o português.

Sete lições da vida de Abraão

Tempo de leitura: 9 min