Sansão, o cristão impulsivo

Hoje quero trazer aqui pra vocês a história de Sansão, homem de força sobrenatural, mas de uma impulsividade incrível. Muitos dos dissabores de Sansão foram causados por conta da sua impulsividade. Sim, eu sei que Sansão foi um abençoado do Senhor, relacionado na galeria dos heróis da fé (Hb 11. 32). O cabeludo foi o flagelo dos Filisteus, mas pense bem, em muitas ocasiões Sansão meteu os pés pelas mãos, ou se fica melhor e mais compreensível o lado impulsivo de Sansão. Ele chutava o pau da barraca. Eita crente cascudo! 😛

Todo comportamento impulsivo acarreta riscos, uma vez que quase sempre não se analisa as consequências dos atos cometidos. O impulsivo tem um menor discernimento e maior probabilidade de arrependimento dos seus atos.

Quem se reconhece impulsivo, quase sempre o faz num tom resignado e queixoso, é a síndrome de Gabriela “Eu nasci assim, eu cresci assim”. O Impulsivo coloca em risco as relações afetivas, profissionais e ministeriais.

O impulsivo necessita de momentos de solidão, de estar afastado de tudo e todos, é quando consegue dominar sua tensão. Frequentemente Sansão ia para o campo, ocasiões em que encontrava paz. “E o Espírito do SENHOR começou a incitá-lo de quando em quando para o campo de Maané-Dã, entre Zorá e Estaol.” Jz 13. 25.

O texto acima é da Edição de Almeida Corrigida e Revisada Fiel. Leia agora o mesmo texto na Nova Versão Internacional “e o Espírito do Senhor começou a agir nele quando ele se achava em Maané-Dã, entre Zorá e Estaol”. Maané-Dã significa “acampamento”.

Muitos crentes necessitam ter momentos de comunhão e intimidade com o Senhor, mais ainda os impulsivos. É sintomático que Maané-Dã ficasse entre Zorá e Estaol. Estaol significa “Petição” (Js 15. 33). Zorá por sua vez significa “lugar de vespões, porém, na origem eslava tem este sentido “reconhecimento do valor da vida, através de muitas peregrinações e lutas”.

Deus quer usar a todo impulsivo, mas é necessário que o mesmo entre no acampamento de Deus, faça uma petição e encontre a paz e o reconhecimento de que todas as coisas estão nas mãos do Senhor. Sl 31. 15

 Faltou ao impulsivo Sansão o auto-controle

sansão

O impulsivo é enérgico e firme em suas ações, age assim para esconder sua baixa autoestima, teme as críticas. O impulsivo carrega consigo estes elementos em elevado grau: ódio, medo e ansiedade. Ele nunca vai esperar acontecer, vai fazer com que aconteça.

Ademais, ao impulsivo falta autocontrole. No capitulo 16 do livro de Juízes, lemos que Sansão foi a Gaza (território de seus inimigos), viu uma prostituta e foi dormir com ela, um confronto entre sua vontade e a vontade de Deus.

“Sansão foi a Gaza, e viu ali uma prostituta, e coabitou com ela. Foi dito aos gazitas: Sansão chegou aqui. Cercaram-no, pois, e toda a noite o esperaram, às escondidas, na porta da cidade; e, toda a noite, estiveram em silêncio, pois diziam: Esperaremos até ao raiar do dia; então, daremos cabo dele.

Porém Sansão esteve deitado até a meia-noite; então, se levantou, e pegou ambas as folhas da porta da cidade com suas ombreiras, e, juntamente com a tranca, as tomou, pondo-as sobre os ombros; e levou-as para cima, até ao cimo do monte que olha para Hebrom”. Jz 16. 1-3.

O impulsivo e as questões sentimentais

O impulsivo tem sérios problemas com as questões sentimentais e sexuais (Jz 14. 1-3; 16.4). Boa parte dos impulsivos tem temperamento sanguíneo. Sansão sabia dos riscos que corria, sua chegada foi uma surpresa. Os filisteus não esperavam tamanha ousadia e se prepararam para matá-lo, cercando a cidade, esperando pegá-lo ao amanhecer.

No entanto, outra vez Sansão alcança a graça e o perdão de Deus. Revestido do Espírito do Senhor, tomou os portões da cidade e levou-os ao alto de um monte, andando cerca de mil metros com um peso de cerca de 400 quilos sobre os ombros.

impulsivoO impulsivo padece de certo grau de ansiedade e insegurança e nunca toma decisões baseadas na racionalidade, isto termina por gerar conseqüências desagradáveis, sofrendo desnecessariamente.

Veja o exemplo do casamento de Sansão (Jz 14. 1-3), foi uma peleja com os pais que não viam a noiva pagã com bons olhos, querendo dissuadi-lo da idéia do casamento. Prevaleceu à teimosia do nosso herói, o resultado foi que já no período festivo do casamento, houve um desentendimento entre o casal.

O impulsivo odeia pessoas superficiais e abjeta a prática da mentira e dissimulação. Foi o que a jovem filistéia fez. Durante os sete dias da festa azucrinou a Sansão para que ele revelasse o enigma que havia dado aos filisteus (Jz 16. 13). Revelado o enigma, a jovem senhora revelou o caso aos seus compatriotas, o que fez com que Sansão perdesse a aposta.

Outra característica marcante do impulsivo é o ódio e a vingança. Depois da separação, Sansão quis ir ver novamente sua jovem esposa. Surpresa! Ela havia sido dada em casamento à outra pessoa. Sansão, enfurecido, quis se vingar atacou os filisteus, tocando fogo em suas plantações. A situação não parou por aí, pois violência gera violência. Jz 15

Concluindo, acrescentamos que a frustração e sentimento de culpa levam o impulsivo a querer fazer tentativas de reparações em seus atos, quase sempre com sacrifícios exagerados.

Temas Relacionado:

O ódio e o sentimento de vingança o levam a fazer um esforço sobre-humano para punir e destruir seu oponente, e foi o que Sansão fez, para vingar-se dos seus inimigos não hesitou em entregar a sua vida. Jz 16. 30

Sansão, o cristão impulsivo

Tempo de leitura: 4 min