Resumo do livro de Êxodo (a saga do povo hebreu)

Êxodo é o segundo livro da Bíblia. Seu nome vem do grego e do latim e significa “saída”, que reflete o tema central do livro. Vale a pena notar que os títulos ingleses de muitos livros bíblicos são derivadas do grego e latim, porque estes eram as duas principais traduções do hebraico no Antigo Testamento para os cristãos em grande parte da história da igreja. O texto grego é chamado a Septuaginta e o texto latino é chamado a Vulgata.

Como Gênesis, Êxodo é bastante longo, e por isso pode ajudar a dividi-lo em seções. Na verdade, é mais simples de pensar em Êxodo como um livro em duas partes. Os capítulos 1-15 descrevem a libertação de Israel da escravidão no Egito sob Moisés. Os capítulos 16-40 descrevem a viagem até o Monte Sinai e o que acontece lá: a promulgação da lei e da construção da tenda de culto portátil de Israel, o Tabernáculo.

O palco do Êxodo

Como podemos ver, mais da metade do livro tem como palco de cena o Monte Sinai. Em termos de narrativa mais ampla da história de Israel (como determinado no Pentateuco), Israel não vai deixar o Monte Sinai até o quarto livro do Pentateuco, Números 10. A maioria da ação no Pentateuco ocorre em Monte Sinai, que nos diz algo sobre a importância do sagrado monte para a fé de Israel.

A primeira parte de Êxodo é onde o drama tem lugar, pegando onde Gênesis encerra a narrativa. Israel está no Egito vivendo bem, mas, em seguida, surge um novo Faraó, não conhecendo a José e tudo o que ele tinha feito para manter o Egito livre de morrer de fome durante o período de escassez.

Este novo Faraó tem medo que os israelitas se tornem tão numerosos que eles poderiam se libertar ou se aliançar contra os inimigos em desfavor do Egito. A fim de enfrentar esta ameaça, Faraó escraviza Israel e coloca-o a trabalhar em muitos projetos de construção.

As dez pragas do Egito

Êxodo

Em resposta, Deus levanta Moisés para libertar os israelitas. Moisés e o Faraó disputam sobre quem vai controlar o destino de Israel. Através de uma série de dez pragas. Deus sem esforço e implacavelmente traz julgamento sobre o Egito. Deus estabelece o seu tempo e dita as circunstâncias, saboreando a vitória. Cada uma dessas pragas também é estratégica. Elas desmantelam a base econômica do Egito causando inúmeros estragos no país.

Elas também desmantelam o sistema religioso do Egito, desde que os deuses estavam intimamente ligados com a natureza. Por exemplo, a praga de sangue no Nilo é um ataque não só na fonte da vida do Egito, mas também um ataque contra o deus do Nilo, Hapi (ou talvez um ataque contra o deus da inundação anual do Nilo, Osíris).

Na praga da escuridão (9ª praga), o Senhor afirma-se tanto sobre o deus sol Ra e o próprio Faraó (o Faraó foi considerado o filho de Ra). Em essência, as dez pragas retratam Deus marchando em território egípcio, o super poder do mundo antigo na época, e esmurrando os seus deuses, seu rei e seu país.

O resultado dessa ofensiva é Faraó, praticamente implorando aos israelitas para sair. Eles partem, passando pelo Mar Vermelho. (O hebraico é “Mar Vermelho” e não se refere ao Mar Vermelho de hoje, mas, um corpo diferente e indeterminada de água.)

A segunda parte do Êxodo tem lugar no Monte Sinai. Estes capítulos contêm as seções mais entediantes do livro, pois eles são todos sobre os detalhes da lei de Deus e da construção do Tabernáculo. No entanto, o fato de que mais da metade do Êxodo é retomada com essas coisas deve nos alertar para o fato de que eles são centrais para a mensagem do Êxodo.

Por exemplo, a totalidade do livro de Êxodo mostra que Deus libertou os israelitas do Egito não simplesmente para lhes dar “liberdade”, mas para trazê-los para o Monte Sinai.

O propósito do Êxodo

É neste local significativo onde os israelitas poderiam aprender sobre quem é Deus e o que Deus exige do povo de Deus, Israel. O propósito do Êxodo é preparar Israel para tornar-se uma nação independente sob Deus e entrar em Canaã e estabelecer seu reino.

As leis mostram-lhes como eles devem agir como povo de Deus. Enquanto o Tabernáculo mostra-lhes como eles estão a adorar como povo de Deus. Essas duas coisas – A Lei e a adoração – definem ao israelita que a fé é tudo, e assim Exôdo passa muito tempo a registrar-lo. O livro termina com a conclusão do Tabernáculo.

Êxodo, dificuldade de interpretação

A narrativa do Êxodo é literatura fascinante, mas cria alguns obstáculos para os leitores modernos. Dentro de estudos bíblicos modernos, tem havido um forte consenso de que um êxodo como descrito no livro não ocorreu. Uma das razões para esta conclusão é que não há nenhum registro escrito de qualquer coisa como o êxodo tradicional dentro da história do Egito (que é muito incomum). O tamanho da população dentro do relato bíblico também é questionável.

A Bíblia diz que cerca de 600.000 homens saíram do Egito. Incluindo mulheres e crianças. A estimativa sobe para cerca de 2.000.000 pessoas. Dado que toda a população do Egito foi, provavelmente, cerca de 3.000.000 na época, um êxodo tão grande provavelmente não ficaria sem resposta na literatura do Egito ou de outras nações vizinhas e levanta a questão da autenticidade de toda a obra.

Outra razão que estudiosos questionam é a exatidão histórica do êxodo diz respeito à conquista de Canaã. As cidades ditas terem sido destruídas e repovoadas por invasões israelitas de acordo com o livro de Josué não mostram evidências de tais invasões por pessoas de fora.

Isto levou à conclusão arqueológica comum de que as cidades de Canaã foram constituídas por uma população indígena, e não por um grupo de massa saindo do Egito e através do deserto. Assim, os estudiosos bíblicos tendem a concluir que a história de Moisés e do Êxodo é uma lenda com algumas raízes históricas, o que inclui a presença de escravos semitas no Egito em algum ponto.

Divisão do mar, truque ou declaração teológica

A travessia do mar levanta duas questões para os leitores cuidadosos. Primeiro, a divisão do mar para revelar terra seca é muito semelhante ao que Deus faz em Gênesis 1, onde Deus divide as águas para revelar a terra habitável.

Este relato da divisão do mar de Deus não é apenas um truque para tirar os israelitas de uma enrascada, mas uma declaração teológica sobre os primórdios de Israel. Veja abaixo um video que revela provas concretas da travessia do Mar Vermelho. Volto logo em seguida.

Voltei. Ao passar através do mar, Israel está dizendo que eles foram “criados” por Deus como povo de Deus. Em segundo lugar, a violência no Mar Vermelho é um problema para muitos leitores. Na verdade, a violência começa nas pragas, em que muitos egípcios encontraram a morte. Em seguida, no Mar Vermelho, todo o exército egípcio se afoga.

Não havia outro caminho para Deus libertar os israelitas do que através de assassinato em massa? Este tem sido um problema para os leitores de todos os tempos. Respostas simples aqui não será suficiente.

Dificuldade de interpretação da 2ª parte do Êxodo

Outro obstáculo significativo para os leitores é toda a segunda metade do livro. As leis são tediosas, desconhecidas e irrelevantes para os leitores modernos (por exemplo, o que fazer se o seu touro vaga na propriedade de outra pessoa). Outros levantam questões morais, tais como a lei tratar filhas virgens como propriedade. Êx 21. 7-11, 16-17

A seção Tabernáculo é especialmente longa e repetitiva. Primeiro as instruções são dadas, e em seguida a maior parte da informação é repetida na construção da própria estrutura. Imprensado entre a famosa história do bezerro de ouro construído por Aarão enquanto Moisés estava no monte recebendo a lei.

Deus mata muitos israelitas por sua desobediência, e Deus mesmo parece um pouco temperamental, precisando ser acalmado por Moisés para que Deus não se afaste do seu plano de constituir Israel em uma nação. Apesar destes desafios para os leitores modernos.

Exôdo é um livro indispensável no Antigo Testamento. Israel começa sua jornada como uma nação nascente e é dado os dois componentes centrais da sua fé que vão dominar o restante do Antigo Testamento: comportamento direito (lei) e adoração direita (tenda).

Temas Relacionados:

Repetidos fracassos de Israel de viver de acordo com este padrão vai se tornar rapidamente um tema comum no Antigo Testamento com o incidente do bezerro de ouro sendo uma prévia do que está por vir. Israel continuará a ter dificuldade para lembrar que o seu Deus, o Senhor, é o seu criador e libertador.

Artigo traduzido do original em inglês Exodus

Resumo do livro de Êxodo (a saga do povo hebreu)

Tempo de leitura: 6 min