Provas metafísicas da existência de Deus (debate)

Provas morais da existência de Deus contam-se a capacidade de cada homem. Homens menos exercitados no raciocínio e o mais tenaz dos preconceitos dos sentidos podem ainda com um olhar descobrir quem nomeou todas as suas obras. Não consigo abrir os meus olhos sem admirar a arte que brilha ao longo de toda a natureza; o elenco é suficiente para me fazer perceber a mão que faz tudo. Homens acostumados a meditar sobre verdades metafísicas e traçar as coisas para seus primeiros princípios, podem conhecer a divindade por sua idéia. Creio que é uma maneira de chegar à origem de toda a verdade.

Quanto mais difícil e impassível é para a generalidade da humanidade que dependem de seus sentidos e a imaginação compreender a existência de Deus.

Uma demonstração ideal é tão simples, que através de sua própria simplicidade escapa às mentes que são incapazes de operações puramente intelectuais. Em suma, a mais perfeita é a maneira de encontrar sendo o primeiro, existem homens que são capazes de segui-lo.

A sabedoria e o poder que ele tem estampado em cima de tudo o que ele fez são vistos, como se fosse um vidro por aqueles que não podem contemplá-lo em sua própria idéia. Esta é uma filosofia sensata e popular, de que qualquer homem livre de paixão e preconceito é capaz.

A alma humana é racional, mas de tal forma que, sendo pela punição do pecado e detida pelos laços da morte, é conclusivo que só ela pode se esforçar e chegar ao conhecimento das coisas invisíveis através do visível.

Por que tão poucas pessoas estão atentas à provas que permite a existência de Deus?

existência de deus
Os céus declaram a glória de Deus; o firmamento proclama a obra das suas mãos. Salmos 19:1

Se um grande número de homens de humor sutil e penetrante não descobriu Deus com um exame do olho sobre a natureza, para qualquer das paixões as quais eles tem sido jogados, tem ainda sido eles incapazes de qualquer reflexão fixa, ou os falsos preconceitos que resultam de paixões, como uma nuvem grossa, cruzam entre seus olhos.

Um homem profundamente preocupado em um caso de grande importância deve ocupar toda a atenção da sua mente, pode passar vários dias em seu escritório, absorto em suas preocupações sem tomar conhecimento das proporções do recinto, as particularidades do ambiente e todos os demais objetos continuamente diante de seus olhos, e ainda nenhum deles fazer qualquer impressão sobre ele.

Desta forma é que os homens gastam suas vidas; tudo oferece a Deus a sua vista, e ainda eles não o vêem em nenhum lugar. “Ele estava no mundo e o mundo foi feito por ele, e, no entanto, o mundo não o conheceu”. Embora passem suas vidas sem perceber essa representação sensível da divindade.

Tal é o fascínio de ninharias mundanas que obscurece seus olhos! Ou melhor, muitas vezes ele não tem como abri-los, mas afetam bastante mantê-los abertos. Em suma, o que deveria fazer para ajudar a abrir seus olhos, a maioria só serve para fechá-los mais rápido.

A natureza mostra a existência de seu criador

Toda a natureza mostra a arte infinita de seu criador. Quando falo de uma arte, quero dizer uma coleção de recursos escolhidos de propósito para chegar a um determinado fim; ou, se quiser, é uma ordem, um método, uma indústria ou um conjunto de design.

Oportunidade, pelo contrário, é uma causa cega e necessária, que não define ordem, nem escolhe nada, e que não tem vontade nem compreensão.

Comparações nobres, provando que a natureza mostra a existência de seu criador. Primeira comparação, extraída a “Ilíada” de Homero. Quem vai acreditar que um poema tão perfeito como a “Ilíada” não era o produto do gênio de um grande poeta, e que as letras do alfabeto, sendo confusamente misturadas, por acaso, eram como se fosse pelo elenco de um par de dados, reuniu em tal ordem que é necessário descrever, em versos cheios de harmonia e variedade.

Há grandes e diversos eventos; para colocar e conectá-los tão bem juntos; para pintar cada objeto com todos os seus atendentes mais graciosos, mais nobres e mais comoventes. Em suma, para fazer com que cada pessoa fale de acordo com seu personagem em tão natural e tão forçosa forma?

Deixe as pessoas discutirem sobre o assunto tanto quanto lhes agradar. No entanto, elas nunca irão convencer um homem de sentido que a “Ilíada” era o mero resultado do acaso. Cícero disse o mesmo em relação aos “Anais” do Quinto Ênio; acrescentando que o acaso nunca poderia fazer um único verso, muito menos um poema inteiro.

Então, como um homem de sentido pode ser induzido a acreditar, no que respeita ao universo, um trabalho além da contradição mais maravilhosa do que a “Ilíada”, o que sua razão nunca sofrerá em relação a esse poema? Deixe-nos assistir outra comparação, que devemos ao St Gregory Nazianzenus.

Segunda comparação, som dos instrumentos 

existência de deus

Se nós ouvimos  por trás de uma cortina, um instrumento suave e harmonioso, devemos acreditar que, sem a ajuda de qualquer mão humana, poderia ter se formado tal instrumento? Devemos dizer que as cordas de um violino, por exemplo, de sua própria vontade variou e estendeu-se em um frame de madeira, cujas partes tinham colado para formar uma cavidade com aberturas regulares?

Devemos nós compreendermos que o arco formado sem arte deve ser empurrado pelo vento para tocar cada corda tão diversas vezes e com justeza tão agradável? Que homem racional poderia seriamente entreter uma dúvida se uma mão humana tocou esse instrumento com tanta harmonia?

Terceira comparação, extraída de uma estátua

existência de deus

Se um homem encontrar em uma ilha deserta, uma estátua de mármore, sem dúvida imediatamente ele concluiria: “Claro, havia homens aqui anteriormente. Eu percebo a obra de um hábil escultor. Percebo com que habilidade ele desenvolveu a todos os membros deste órgão, a fim de dar-lhes tanta beleza, graciosidade, majestade, vida, ternura, movimento e ação!”.

O que o homem responderia se alguém argumentasse, “esse é seu erro; uma estátua esculpida nunca teria essa figura. “É fato, confesso, com um excelente gosto e de acordo com as regras de perfeição. Entre tantos pedaços de mármore havia um que se formou em si por sua própria iniciativa dessa maneira; as chuvas e ventos a afrouxaram das montanhas; uma violenta tempestade tem jogado prumo na vertical num pedestal, que preparou-se para apoiá-lo neste lugar”.

É um Apolo perfeito, como o de Belvedere. Uma Vénus, que é igual a de Medicis. Um Hércules, como os de Farnese. Você pensaria, é verdade, que esta figura caminha, vive, pensa e só falta falar. Mas, no entanto, não é no menos em dívida com a arte; e é só um golpe cego de oportunidade que tem, assim, tão bem acabado.”

Quarta comparação, tirada uma foto 

existência de deus

Se um homem tivesse diante dos olhos uma foto, representando, por exemplo, a passagem do mar vermelho, com Moisés, em cuja voz as águas se dividem e erguem-se como duas paredes para deixar os israelitas passar através do profundo mar. Ele veria, por um lado, a multidão inumerável de gente, cheia de confiança e alegria, levantando as mãos para o céu.

No entanto, percebem que, do outro lado, o rei Faraó com os egípcios, assustados e confundidos com a visão das ondas que se unem novamente para engoli-los. Agora, quem teria a ousadia de afirmar que uma camareira no quarto de hóspedes, tendo por acaso aquele lençol colorido diante de si, as cores tivessem por sua própria vontade produzir a coloração animada.

Essas atitudes diversas, os olhares expressando tão bem diferentes paixões, essa elegante disposição de tantas figuras sem confusão, tão decente entrançar de cortinas, que a gestão das luzes, a degradação das cores, que exata perspectiva — em suma, tudo o que o gênio mais nobre de um pintor pode inventar? Se houvesse não mais no caso de uma pequena espuma pela boca de um cavalo, e permitindo que eu prontamente examinar-lo, e constatar que um traço de um lápis, lançado por um pintor ocorreu a expressá-la bem.

A natureza expressa a existência de Deus

Mas, pelo menos, o pintor deve previamente, com planejamento, selecionar as cores mais adequadas para representar essa espuma, a fim de prepará-los no final do seu lápis; e, portanto, fosse apenas uma pequena chance que tinha terminado o que a arte tinha começado.

Além disso, esta obra de arte, sendo apenas uma pequena espuma, um objeto confuso e então mais apropriado de um ataque de oportunidade de crédito — um objeto sem forma, que requer apenas que um pouco de esbranquiçada cor caiu de um lápis, sem nenhuma figura exata ou correção de design.

Não posso deixar essas instâncias sem desejar que o leitor seja levado a observar que os homens mais racionais são naturalmente relutantes em pensar que os animais não têm nenhuma forma de entendimento e são meras máquinas.

Agora, donde procede uma tão invencível certeza para essa opinião de tantos homens de sentido? É porque supõem, com razão, que movimentos tão exatos e de acordo com as regras do mecanismo perfeito, não podem ser feitos sem alguma indústria; e essa matéria prima sozinha não pode realizar o que argumenta tanto conhecimento. Portanto, parece que a razão naturalmente conclui a questão sozinha, as simples leis do movimento, ou por traços caprichosos de chance.

Esses filósofos, que não permitirá que bestas tenha qualquer faculdade de raciocínio, não podem evitar reconhecer que o que supõem ser cego e ignorante nestas máquinas ainda está cheio de sabedoria e arte no primeiro motor, que fez suas molas e tem regulado os seus movimentos. Assim, o mais opostos filósofos perfeitamente concordam em reconhecer que matéria e oportunidade não podem, sem a ajuda da arte, produzir tudo o que observamos.

Da estrutura geral do universo

Após essas comparações, sobre o qual eu só desejo o leitor a consultar-se, sem qualquer argumentação, acho que é chegada a hora de entrar em um detalhe da natureza. Quem é capaz de fazê-lo? Também não pretendo entrar em qualquer discussão física.

Tal forma de raciocínio exige certo conhecimento profundo, que abundância de homens de sagacidade e senso tem adquirido; e, portanto, oferecerá a simples perspectiva da face da natureza. Eu vou entretê-los, mas o que todos sabem, e que exige apenas uma pequena atenção calma e séria.

Deixe-nos, em primeiro lugar, parar no objeto grande que atinge primeiro a nossa visão, quer dizer a estrutura geral do universo. Deixe-nos lançar nossos olhares nesta terra que nos leva. Olhemos no vasto arco do céu que nos cobre. As regiões imensas do ar e profundidades de água que nos rodeiam, e aquelas estrelas brilhantes que nos ilumina.

Um homem que vive sem refletir pensa apenas nas partes da matéria que estão perto dele, ou tem qualquer relação com seus desejos. Ele só olha para a terra, como no chão do seu quarto e o sol que o ilumina durante o dia, ou como a vela que o ilumina no meio da noite. Seus pensamentos estão confinados dentro do lugar que ele habita.

Temas Relacionado:

Pelo contrário, um homem que é usado para contemplar e refletir, carrega sua aparência ainda mais e curiosamente considera os abismos quase infinitos que o cercam por todos os lados. Um grande reino aparece então para ele, mas um pequeno canto da terra; a própria terra não é mais aos olhos que um ponto na massa do universo; e ele admira para ver se colocado nela, sem saber para que lado ele caminhe. Não sabe, mas compreende a existência de Deus.

Provas metafísicas da existência de Deus (debate)

Tempo de leitura: 9 min