Os evangelhos se harmonizam nas diferenças e nas razões

Quatro evangelhos e diferentes escritores. Cada um deles apresentando o mesmo relato com foco no mesmo tema, porém algumas vezes de aparente divergências. É como se testemunhas oculares fossem chamadas a dar testemunho sobre determinado fato. Obviamente, que os relatos serão diferentes, por questão de interpretação, de compreensão, de experiências vividas.

É isto, quem estiver tomando o testemunho notará a harmonização nos relatos e formará um quadro preciso com os testemunhos, apresentando o veredito final. Assim foi com os evangelhos. Vamos mostrar as harmonias nas diferenças e nas razões.

Ao lermos as Escrituras nos surpreendemos com a sua perfeita harmonia, embora tenha sido escrita por um período de 1600 anos, por cerca de 40 autores distintos, pertencendo os mesmos as mais diferentes classes sociais; em circunstâncias diversas, sendo todos guiados para um propósito único (2 Pe 1. 19-21; 2 Tm 3. 16).

O mesmo se dá com os Evangelhos. Neste aspecto franqueamos a palavra ao Pr. J. Sidlow Baxter: “Não é preciso negar que existem diferenças entre os quatro relatos, embora algumas delas ao primeiro olhar pareçam até divergências, elas servem um bom propósito, pois são indicações de autoria independente e de autenticidade.

Em ponto algum essas diferenças mostram-se incompatíveis com a exatidão histórica, elas são variações, mas não contradições; surgindo devido a êxtase dada a diversos aspectos ou pontos de vista.” A realidade é que os Evangelhos nos deram apresentações distintas e únicas do Senhor, apresentando um retrato fiel e preciso do mesmo.

Harmonia nas razões

evangelhos

Podemos questionar o porque de haver quatro Evangelhos, um só não seria necessário? Em resposta, mais uma vez temos que tributar honras ao Senhor por sua magnificência em nos dar quatro relatos do Evangelho porque Deus assim quis, acrescentando que há razões para Ele haver precedido assim.

Razões geográficas

No relato de Gênesis encontramos um rio nascido no Jardim do Éden, repartindo-se em quatro braços, regando não somente o Jardim, como também as terras vizinhas. No Novo Testamento encontramos a declaração de Jesus em Atos 1.8, representando as posições geográficas para divulgação do Evangelho. Confirme:

Jerusalém – Palestina
Judéia – Romanos
Samaria – Gregos
Confins da Terra – Universal

Os evangelhos se harmonizam nas diferenças e nas razões

Tempo de leitura: 2 min