O poder de um túmulo vazio (A essência do cristianismo)

No frio e cinzento da madrugada três mulheres dirigiram-se pelas ruas escuras de Jerusalém. Era o amanhecer do primeiro dia da semana, mas seus corações estavam pesados. Seus pés se arrastavam lentamente sobre as pedras irregulares das ruas de Jerusalém.

No dia anterior, o sábado, elas tinham visto a sua esperança em Jesus de Nazaré esmagada. Elas testemunharam dEle uma morte cruel por crucificação. Tinha sido a esperança de que Ele iria resgatar Israel e entregá-los a partir de seus opressores romanos; mas agora os seus sonhos e esperanças jazia na túmulo vazio.

Em suas mãos elas carregavam especiarias. Como sua última medida de devoção, elas queriam ungir o corpo morto de Jesus. Cada uma das mulheres tinha sua própria relação peculiar com Cristo. Salomé era a esposa de Zebedeu (Mt 27. 56; Mc 15. 40) e a mãe dos apóstolos Tiago e João. Com ela foi Maria de Cléofas, a mãe de Tiago, o Menor, outro dos doze discípulos.

No pequeno grupo, Maria Madalena, que tinha sido liberta de uma vida horrível de possessão demoníaca pelo poder de Jesus. Em outra parte de Jerusalém foram outras mulheres que tinha o mesmo objetivo e a mesma missão, também encontrando seu caminho para o túmulo na penumbra do amanhecer.

Mas todos elas tinham um problema. O túmulo foi selado por uma grande pedra. Elas não podiam empurrar a pesada pedra para longe da porta do túmulo e ter acesso, a fim de usar os especiarias que traziam. Elas não a solução para o seu problema, mas mesmo assim elas continuaram seu caminho.

O selo da morte foi rompido

túmulo vazio

O jardim onde o túmulo de Jesus estava situado, estava em grande comoção. Os guardas que estavam observando o túmulo de Jesus, tal como solicitado pelos judeus para ter certeza de que ninguém iria roubar o corpo.

De repente, foram surpreendidos na escuridão da manhã por uma visão de anjos descendo ao túmulo e rolando a pedra que tinha selado a tumba. Eles fugiram em terror desta prova do poder sobrenatural de Deus. Mt 28. 2-4

Quando as mulheres chegaram no túmulo, tudo estava tranquilo novamente, a pedra havia sido removida, o selo tinha sido quebrado (Mc 16. 04; Lc 24. 2; Jo 20. 1). O que isso significa? Para Maria Madalena só podia significar uma coisa. Alguém havia roubado o corpo de Jesus. Sem esperar por mais uma prova, ela fugiu da cena e voltou para os discípulos para lhes dar a trágica notícia. As outras mulheres, no entanto, aproximaram-se do túmulo.

Lá elas viram um anjo sentado no lado direito do túmulo, vestido de uma roupa comprida, branca. “Não se assuste”, disse ele. “Você está à procura de Jesus, o Nazareno, que foi crucificado. Ele ressuscitou! Ele não está aqui. Veja o lugar onde o puseram” Mc 16. 6

Pouco depois, outras mulheres, incluindo Joana, mulher de Cuza, o mordomo de Herodes, também chegaram ao túmulo e chegaram a mesma conclusão (Lc 24. 10). Maria, porém, já havia informado a Pedro e João que o túmulo estava vazio e que o corpo foi roubado. João e Pedro apressou-se para o túmulo.

Ao chegar, Pedro entrou rapidamente no sepulcro e viu a evidência de que o corpo tinha desaparecido. As roupas graves estavam ainda sob a forma de um corpo humano, e que o lenço, que tinha estado sobre a cabeça, estava dobrado em um lugar.

Um segundo olhar

O testemunho silencioso de que Jesus ressuscitou dentre os mortos não parecem amanhecer em cima de Pedro. Ele deixou de acreditar que o corpo tinha sumido, mas sem saber que Jesus tinha ressuscitado dos mortos. A essa altura, Maria Madalena tinha voltado ao túmulo pela segunda vez.

Ela estava em prantos, pois tinha a certeza de que alguém havia levado o corpo de seu Senhor. Em seguida, ela também olhou para o túmulo e viu dois anjos sentados, um à cabeceira e outro aos pés, onde o corpo de Jesus tinha sido colocado. Jo 20. 1

Eles perguntaram por que ela estava chorando, e ela disse-lhes que alguém tinha levado o seu Senhor e ela não sabia onde o corpo tinha sido colocado (Jo 20. 13). Ela nem bem tinha dito isso de volta, quando ela viu Jesus em pé na porta da tumba. Mas ela não o reconheceu. Jesus dirigiu à mesma pergunta para ela. “Mulher”, disse ele, por que você está chorando. Quem é que você está procurando’? Jo 20. 15

Maria em meio às lágrimas ainda não compreendeu e achou que ela estava conversando com um dos jardineiros. Ela se confessou com Ele: “Senhor, se você tê-lo levado embora, diga-me onde o puseste, e eu vou buscá-lo.” (Jo 20. 15) Jesus disse-lhe simplesmente: “Maria”.

Ela virou-se imediatamente e disse-lhe: “Raboni! (Que quer dizer Mestre)” (Jo 20. 16). Através das lágrimas ela não tinha reconhecido a Cristo em sua ressurreição corporal, mas era a mesma voz familiar, a mesma pessoa.

Em seu êxtase ela literalmente o abraçou. Jesus lhe disse: Não toque em mim, pois eu ainda não voltei para o Pai. Mas vai a meus irmãos e diz-lhes. Ele ressuscitou”. Maria Madalena não perdeu tempo em correr de volta pela segunda vez para contar a boa nova aos discípulos, confirmando o que as outras mulheres também tinham relatado.

Nestes momentos dramáticos, para nunca mais ser esquecido e preservado para sempre nas Escrituras, é o registro de Maria Madalena ver Cristo em seu corpo ressuscitado. Integrado nas narrativas bíblicas da aparição de Cristo a Maria, a esmagadora prova de que Cristo havia ressuscitado dentre os mortos. Aparições para as outras mulheres, a Pedro, aos discípulos na estrada de Emaús, e para dez dos discípulos fiéis naquela noite.

Todas estas aparições adiciona o peso para a prova bíblica de que Cristo realmente ressuscitou dos mortos. Ao todo, foram dezessete aparições de Cristo antes de sua ascensão ao céu. Seis novas aparições a Paulo, Estevam e João ocorreram em vários momentos depois de Sua Ascensão.

Por que Maria Madalena?

túmulo vazio

Por que Jesus apareceu primeiro a Maria Madalena? Não teria sido mais apropriado para ele ter aparecido primeiro a Pedro ou a João ou a sua mãe, Maria? Por que essa mulher obscura foi escolhida para esta grande honra? O testemunho de uma mulher não era ainda aceitável pelos tribunais!

A resposta é bastante simples. Porque essa é a maneira como ele realmente aconteceu. Maria Madalena foi a primeira na tumba à luz no início daquela hora da manhã. Ela foi a primeira a relatar que o corpo estava faltando. Ela foi a primeira a voltar para o túmulo. Ela foi a primeira a procurar avidamente onde tinham colocado o corpo de Cristo. Era natural que ela deveria ser a primeira a ver o Senhor a quem amava mais do que a vida.

Como cristãos entramos no pleno significado da história da ressurreição, muitas lições podem ser aprendidas com Maria Madalena. Ela não precisava de nenhuma prova de que Cristo era realmente o Filho de Deus.

No seu próprio corpo, em sua própria experiência espiritual, ela tinha visto a maravilhosa transformação do controle demoníaco para a paz e o descanso da fé que tinha encontrado em Jesus Cristo. Nenhuma evidência era necessário para confirmar de que Ele era realmente o Filho de Deus.

O que era importante para ela foi que Jesus Cristo tinha sido libertado da morte e do túmulo, que agora estava liberado para entrar em Sua gloriosa propriedade. Seu coração que estava triste, agora se encontrava contente.

A evidência histórica da ressurreição

Anos se passaram desde aquela manhã fria e cinzenta em Jerusalém. Por muitos séculos, os estudantes da doutrina da ressurreição de Cristo têm ponderado a evidência histórica abundante que Jesus realmente ressuscitou dos mortos. Eles examinaram o túmulo vazio como o testemunho da Ressurreição de Cristo. Eles rastrearam a evidência de que os discípulos estavam dispostos a morrer em vez de renunciar à sua fé em Cristo, que morreu e ressuscitou.

Os discípulos experimentaram uma mudança dramática do desespero da morte para o triunfo da ressurreição. O Evangelho que eles proclamaram testemunha essa transformação. O poder do Espírito de Deus se manifesta repetidamente no livro de Atos.

Tudo resultou deste poder da ressurreição que ressuscitou Cristo dentre os mortos. Até o dia de Pentecostes, com o seu registro da descida do Espírito Santo para habitar na igreja, foi baseada na certeza da Ressurreição.

Nesse dia feliz, de três mil judeus, após examinar o túmulo vazio e ouvir a evidência, tomaram sua posição de fé neste Senhor ressuscitado. A jovem igreja desenvolveu e cresceu. Jesus Cristo é adorado de uma forma especial no primeiro dia da semana, em reconhecimento do fato de que este era o dia em que Ele tinha ressuscitado.

O poder criativo de Deus transformando vidas

O poder do evangelho se espalhou por todo o mundo, dando a prova final de que Cristo foi de fato ressuscitado dentre os mortos e que o poder da sua ressurreição era o poder criativo de Deus transformando a vida das pessoas que depositam sua confiança no Salvador morto e ressuscitado novamente.

As epístolas afirmam sobre a certeza da ressurreição de Cristo. A partir dessa constatação podemos ter a certeza de que, se nós, como cristãos morremos, renasceremos novamente. O mais importante em nossos dias modernos é a garantia de que, se cremos que Cristo morreu e ressuscitou, também podemos crer que Ele pode vir antes de morrermos, para que possamos ser arrebatados ao encontro do Senhor nos ares.

“Se cremos que Jesus morreu e ressurgiu, cremos também que Deus trará, mediante Jesus e juntamente com ele, aqueles que nele dormiram”. 1 Ts 4. 14. Quando isso ocorre, o Senhor descerá do céu com alarido: os mortos em Cristo ressuscitarão e os crentes em Cristo que estivermos vivos, seremos arrebatados, arrebatados para estar com o Senhor para sempre.

O poder do túmulo vazio

O poder transformador de Deus que se manifesta na vida daqueles que depositam sua confiança em Cristo é visto no túmulo vazio, o Cristo ressuscitado a si mesmo, e nas promessas que são asseguradas por causa de sua ressurreição. Algum dia, talvez muito em breve, outros túmulos estarão vazios.

A Igreja se levantará triunfante ao encontro do Senhor nos ares, e aqueles que vivendo e permanecendo na terra, que confiaram em Cristo serão arrebatados para encontrá-Lo e estar com Ele para sempre.

Temas Relacionados:

A ressurreição de que as Escrituras testemunham, primeiro revelado na luz suave de uma calma de manhã, aponta para outra ressurreição que pode estar muito perto ao olharmos para a vinda de nosso Senhor. Fomos regenerados para uma viva esperança pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos.

John F. Walvoord, presidente de longa data do Seminário Teológico de Dallas, foi um dos mais proeminentes estudiosos evangélicos de sua geração. Ele é considerado o intérprete mais importante do mundo da profecia bíblica.

O poder de um túmulo vazio (A essência do cristianismo)

Tempo de leitura: 8 min