O pastor e a traição ministerial (estudos para lideranças)

Nesse artigo eu quero tratar de algo muito difícil e complicado que ocasionalmente ocorre em alguma Igreja, que é a traição ministerial. A traição ministerial é aquela onde um irmão de confiança rouba o dinheiro dos irmãos, ou o tesoureiro que desfalca a igreja. Pode ser ainda o obreiro que sai e leva consigo membros da congregação e abre uma nova igreja, ou ainda o caso de alguém que fere totalmente a confiança do pastor.

A irmã Cicera, do Jardim Paulistano, deixou montarem um ponto de pregação na sua garagem, que começou a arrumar, com muito custo, para que ali fosse uma futura extensão da sua igreja. Com os dias passando o seu marido que não é cristão, notou que nos dias de culto na garagem, a sua esposa ia para outra igreja.

Ele perguntou o que estava acontecendo e ela disse que os irmãos estavam dando suas contas de água, luz e despesas, para que o obreiro que a igreja colocou pagasse.

Logo, perceberam  não voltava nem a conta e nem o dinheiro, além de quê a cobrança continuava. Os irmãos que estavam sendo ministrados por esse obreiro tentaram espanca-lo, abriram um Boletim de Ocorrências e o marido da Cícera mandou acabar com a igreja na sua casa.

Fui pregar estava literalmente desfalcada, não havia praticamente ninguém num culto de domingo. Curioso acabei perguntando a alguém o por quê disso. Fiquei sabendo que essa igreja tinha uma sub-congregação muito boa e bem visitada.

O co-pastor que estava ali abriu legalmente uma igreja pelos meios legais e um dia simplesmente mudou a placa e se declarou independente da denominação onde ele era membro. Disse que quem quisesse ficar com ele que ficasse, muitos membros daquela casa o acompanharam ao novo local de culto.  Essa traição é chamada de traição ministerial. Como lidar com isso?

Por que a traição dói?

A traição ministerial dói porque é perpetrada por gente que nós amamos. Quem não ama não me afeta e se ele, ou ela me trair não é reconhecido como traição, mas rebeldia. Judas traiu Jesus com um beijo. Beijo tem dois significados: o primeiro tem a haver com a sexualidade, pois o beijo é o símbolo máximo reconhecido mundialmente como símbolo do sexo. O segundo significado do beijo é de amor, intimidade, carinho, o que é extremamente saudável.

Um desconhecido não chega a ninguém e o trai com um beijo. Só alguém que amamos pode nos ferir tanto quando faz algo que nos fere profundamente.

Uma revelação que Deus me deu sobre isso é que alguém de dentro de um bar, que vendo os cristãos passando na rua, passa a xinga-los ou a dizer qualquer tipo de barbaridade e mentira, não nos afeta tanto, pois é um desconhecido e o que diz não tem fundamento. Iramos-nos momentaneamente – irai-vos e não pecais, disse o Mestre – e esquecemos o assunto. Conseguimos dormir tranquilamente aquela noite.

A dor da traição ministerial

traição ministerial
Judas trai a Jesus. Imagem The Taking of Christ by Caravaggio, 1602

Entretanto quando alguém que amamos, e confiamos. Alguém do nosso círculo de amizade, um obreiro que contamos com ele, uma irmã de valor, faz algo que além de pecado, afeta a congregação, e nos afeta como lideres, realmente dói. Um exemplo de dor, tanto quanto o conjugue que trai o parceiro.

A minha mãe sempre deixou claro que o meu pai a traiu na lua de mel e ele nunca desmentiu, e a minha avó, enquanto viva confirmava isso na frente dele. Nem é preciso dizer que a minha infância e a dos meus irmãos não foi fácil.

A vida do meu pai e da minha mãe era de traições mutuas. Se não me engano ficaram 26 anos juntos e quando eu tinha 14 anos meu pai saiu de casa, definitivamente. Quem eu não amo e não confio não tem poder de me trair e consequentemente de me afetar. Um desconhecido, ou alguém que não gosto, não me afeta se fizer algo que venha configurar traição.

O escândalo e a revelação de Deus

A traição por parte dos homens deve ser esperada, principalmente no tempo em que vivemos, mas como diz a Palavra, ai de quem trouxer o escândalo. (Mt 18. 7). Os escândalos tem que vir, principalmente quando vamos caminhando a passos largos para os tempos escatológicos.

E entenda que nós vivemos na Era da Graça. A Era da Graça é também a Era da Apostasia. Precisa cumprir essa outra Palavra em Romanos 5 .20: “Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça.”

Jesus era um homem de muita oração. Quem ora tem revelações de Deus. Lemos sobre a traição de Judas muito antes que ela acontecesse, pois o Espírito Santo já havia lhe dito que isso aconteceria. A surpresa de Jesus – é os homens conseguem surpreender até a Jesus – é que Judas escolheu trair Jesus com um beijo.

Lemos que Jesus ficou perturbado quando o Espírito Santo lhe disse que Judas o trairia, mas no momento da traição em si ele estava mais calmo, já havia aceitado que isso aconteceria, para cumprir a Palavra sobre o Cordeiro, que era ele. Jo 13. 18-21

Como lidar com a traição ministerial

Jesus lidou com calma, com a traição quando ela ocorreu. É impressionante o domínio que Jesus tinha das situações. Ele não se deixava abalar nem pela morte iminente. Cumpra-se, Senhor, a sua vontade, era a oração de Jesus. Lidou com calma, com relação à traição ministerial.

Eu aprendi ha muito tempo que se alguém não agir como crente, aja você. Se o outro não está sendo cristão, seja você o exemplo. Sempre perdoe. As traições são geradas no inferno, pelos demônios. Por isso o traidor precisa de perdão e libertação. Se der para você perdoar, então perdoe. Se houver um sentimento de perdão, então perdoe. Saiba, porém que o perdão não é nosso, mas característica de Deus.

Se não der pra você perdoar o traidor ou a traidora com a sua medida de perdão que você tiver, peça emprestado o perdão de Deus, para superar em Deus o problema. Perdoe sempre. Se há traição, se há pecado de qualquer tipo, então há demônios também e o traidor, ou o pecador precisa de libertação.

Homens praticam a traição e julgam

Líder, obreiro, pastor, seja você quem for, entenda que o ser-humano é pecador, por natureza. Não deveria ser surpresa nenhuma qualquer tipo de pecado. Não me surpreende se qualquer pessoa – e digo qualquer mesmo – aparecer com um pecado. Existem palavras que acredito que a igreja não está apta a entender, ainda.

Existem cristãos no mundo em que Deus permite que suas trevas se manifestem a todos. Algumas pessoas de coração extremamente duro, Deus permite que o que tem dentro dele, o pecado entranhado, se manifeste claramente, para que ele reconheça que precisa de Deus. Só quando ele, ou ela reconhecer que precisa mesmo, que o seu pecado é sujo, feio, imundo, uma rebeldia contra Deus, é que ele será convertido.

traição ministerial

Existem pessoas que não acreditam porque necessitam tanto de Deus. Para essas pessoas, Deus age, mais ou menos, como agiu com Jó: Deus permite o camarada ser tocado pelo Diabo, sabendo que ele voltará para Deus.

O Pastor Ed Kivitz, disse numa pregação que tem medo do que tem dentro dele e ora para que não se manifeste. Temos o inferno dentro de nós, a herança do pecado. Podemos nos transformar em demônios, agir como demônios.

O que mais aprendi com a pregação do Juliano Soon sobre A Parábola do Filho Pródigo é que quem é filho, sempre volta. Pode ir pra onde for, o filho volta. Pode desgarrar, perder a fortuna, o nome, mas quem é filho, volta. Sempre haverá esperança, para o filho verdadeiro. Eu vou para a casa do meu pai – diz o filho.

Paulo fala sobre a traição ministerial

“Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons. Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te”.  2 Tm 3. 1-5

Leu a lista toda? Nos últimos tempos, quer dizer: hoje. Temos nas nossas fileiras da igreja gente assim, não se engane. Paulo dá a Receita: desses, afasta-te. O que Paulo diz sobre o pecado da traição é muito simples: Afaste-se do traidor.

Jesus nos diz com a sua atitude a respeito da traição ministerial que ela existe, que o Espírito nos revela antes, e que quando acontecer, tenha calma, sabendo que existe perdão para o pior dos homens, se ele se arrepender. Enquanto estava sendo traído Jesus liberou uma palavra: Amigo a que vieste? Amigo!

Imagine como isso doeu em Judas? Jesus estava mesmo disposto a libertar Judas. Pense como Deus, em relação às pessoas que pecam contra nós, ou como Deus vê o nosso pecado e agiremos com mais sanidade.

O recado de Paulo a respeito da traição é curto e grosso: Desses afasta-te, sai de perto, deixe pra-lá. Entenda porém que perdoar é uma coisa. Podemos perdoar realmente qualquer pessoa, mas talvez não possamos mais conviver com ela, o que é outra coisa.

A traição é o pior pecado do mundo

Para finalizar, qual é o pior pecado do mundo? Pensa ai. O pior pecado do mundo, reconhecido mundialmente em todos os tempos, no qual ao se referir ao fato, ou as pessoas envolvidas, todo mundo sabe, é a traição de Judas. Judas não traiu uma pessoa qualquer , mas o Filho de Deus.

Temas Relacionados:

O pior pecado do mundo, o mais dolorido, o mais feio, o mais degradante é o pecado da traição. Só trai, quem tem poder de nos afetar emocionalmente. A traição é um pecado emotivo.

Paulo Sérgio Lários

Paulo Sérgio é Presbitero, tecnico de informática e escritor

O pastor e a traição ministerial (estudos para lideranças)

Tempo de leitura: 7 min