Lições sobre a bondade de Deus e a realidade do mal

Cada pessoa deve pensar em lidar com o problema do mal. Atos de maldade e trágicos acontecimentos vêm para todos nós neste vale de lágrimas, conhecidos como vida humana. O que faz com que frequentemente nos inquietemos com a maldade humana. Sem dúvida, o maior desafio teológico que enfrentamos é o problema do mal e do sofrimento. A maioria das pessoas enfrenta esse problema apenas em um momento de crise. Um acidente sem sentido, uma doença debilitante, ou um crime terrível exige uma explicação.

Para o ateu, isso não é grande problema. A vida é um acidente cósmico. A moralidade é um jogo arbitrário pelo qual ordenamos nossas vidas, e o significado é inexistente. Como o professor da Universidade de Oxford, Richard Dawkins explica: “a vida humana não é nada mais do que uma forma de genes egoístas para se multiplicar e se reproduzir. Não há nenhum significado ou dignidade na humanidade”.

Para o cientista cristão, o mundo material e a experiência do sofrimento e da morte são ilusórias. Em outras religiões o sofrimento é parte de um grande círculo de vida ou de encarnações recorrentes de espírito.

Alguns cristãos simplesmente explicam o sofrimento como consequência dos pecados, conhecidos ou desconhecidos. Alguns sofrimentos podem ser diretamente relacionados ao pecado. O que semeamos, então vamos colher, e vários milhões de pessoas podem testemunhar esta realidade. Algumas pessoas sofrem inocentemente pelos atos pecaminosos dos outros.

Os dois tipos de mal

bondade de deus

Mas Jesus rejeitou esta idéia como uma explicação geral para o sofrimento, instruindo os seus discípulos em João 9 e Lucas 13 que não podiam sempre considerar o sofrimento fruto do pecado. Devemos notar que o problema do mal e do sofrimento, a questão teológica de Teodiceia, é habitualmente dividido em mal de dois tipos, moral e natural. Ambos estão incluídos nessas passagens.

Em Lucas 13, o assassinato dos galileus é claramente um mal moral, um crime premeditado, como os atentados terroristas em Nova York e Washington. Em João 9, um homem é cego desde o nascimento. Jesus diz aos Doze que esta cegueira não pode ser rastreada até o pecado deste homem, ou a de seus pais.

O mal natural vem sem um agente moral. A torre cai, um terremoto sacode, um tornado destrói, uma devastação do furacão, uma picada de aranha, uma doença debilita e mata. O mundo está cheio de maravilhas misturada com perigos. A gravidade pode poupar ou a gravidade pode matar você. Quando uma torre cai, mata.

Se Deus é bom, por que ele permite o mal

Pessoas de todo o mundo estão a exigir uma resposta para a questão do mal. Ele vem apenas para aqueles que afirmam que Deus é poderoso e que Deus é bom. Como poderia um Deus bom permitir que essas coisas aconteçam? Como pode um Deus de amor permitir que haja assassinos para matar, terroristas para aterrorizar e os ímpios para escapar sem deixar vestígios?

Nenhuma resposta superficial há. Nosso dilema é bem conhecido, e os ateus pensam que têm a resposta. Como um personagem na peça de Archibald MacLeish, JB. afirma, “se Deus é Deus, Ele não é bom, se Deus é bom, Ele não é Deus.” Para ele, Deus pode ser bom, ou Ele pode ser poderoso. Ele não pode ser ambos. Nós poderemos tomar nossa posição com a auto-revelação de Deus na Bíblia, ou somos deixados para inventar uma divindade da nossa própria imaginação. A Bíblia exclui rapidamente dois falsos entendimentos.

A Bíblia revela que Deus é onipotente e onisciente. Estes são atributos incondicionais e categóricos. A soberania de Deus é o fundamento da afirmação teísta bíblica. O Criador governa sobre toda a criação. Nem mesmo um pardal cai sem o seu conhecimento. Ele sabe o número fios de cabelos em cima de nossas cabeças. Deus governa e reina sobre todas as nações e principados. Nem um átomo ou molécula do Universo está fora do Seu controle.

A soberania de Deus foi confirmada pelo rei Nabucodonosor, que confessou que Deus “faça de acordo com a Sua vontade no exército do céu e os moradores da terra; e ninguém pode deter sua mão, nem lhe dizer: ‘O que você fez?” (Dn 04. 36). Os revisionistas evangélicos empurrando o Teísmo aberto têm tentado cortar a onisciência de Deus diminuir o poder de Deus, tornando-Lo como uma só mente.

Deus é justiça absoluta, amor e bondade

O rabino Harold Kushner afirma que Deus está fazendo o melhor que pode, dadas as circunstâncias, mas ele não tem o poder de matar ou curar. Os teístas argumentam que Deus está sempre pronto com o Plano B, quando o plano A falhar. Ele é infinitamente engenhoso, eles enfatizam, não apenas realmente soberano.

bondade de deusEstes são caminhos que não ousamos tomar, para o Deus da Bíblia faz com que a ascensão e queda de nações e impérios, seu governo está ativo e universal. Soberania limitada não é nenhuma soberania.

O segundo grande erro é atribuir mal a Deus. Mas a Bíblia não permite este argumento. Deus é justiça absoluta, amor e bondade. A maioria dos erros relacionados a esta questão ocorrem por causa de nossa tendência humana de impor um padrão, uma construção humana externa de bondade em Deus.

Como, então vamos falar do governo de Deus e reconciliar isso com a realidade do mal? Entre esses dois erros, a Bíblia nos aponta para a afirmação radical da soberania de Deus como fundamento da nossa salvação e a garantia de nosso próprio bem.

Nós não podemos explicar por que Deus permitiu o pecado, mas entendemos que a glória de Deus é mais perfeitamente demonstrada através da vitória de Cristo sobre o pecado.

Não podemos entender por que Deus permitiria a doença e o sofrimento, mas devemos afirmar que mesmo essas realidades estão enraizados no pecado e seus efeitos cósmicos.

A forma como Deus exerce seu governo

Como Deus exerce Seu governo? Será que Ele ordena todos os eventos por decreto, ou que Ele permite algumas maldades por sua mera permissão? Isso é tudo que sabemos, não podemos falar do decreto de Deus de uma forma que implicaria que Ele é o autor do mal, e não podemos retornar para falar de sua permissão, como se isso permita uma negação de sua soberania e vontade ativa.

A confissão de fé venerável afirma com razão: “Deus, desde a eternidade, decreta ou permite que todas as coisas que aconteceram, e perpetuamente sustenta, dirige e governa todas as criaturas e todos os eventos; ainda assim, não pode de forma alguma ser o autor ou aprovador do pecado, nem para destruir o livre arbítrio e a responsabilidade de criaturas inteligentes.”

O fundamento da nossa esperança

Deus é Deus, e Deus é bom. Como Paulo afirma para a Igreja, a soberania de Deus é o fundamento da nossa esperança, a certeza da justiça de Deus, como a última palavra, e regra amorosa de Deus nos acontecimentos de nossas vidas: E sabemos que Deus faz com que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, que são chamados segundo o seu propósito.” Rm 8. 28

Não ouso falar em nome de Deus para explicar por que Ele permitiu que esses atos particulares de mal aconteça neste momento para essas pessoas e, desta maneira. No entanto, ao mesmo tempo, não ousamos ficar em silêncio quando deveríamos testemunhar o Deus da justiça e do amor que governa sobre tudo em onipotência.

A humildade exige que afirmamos tudo o que a Bíblia ensina, e ir mais longe. Há muito que não entendemos. Como Charles Spurgeon explicou, quando não podemos traçar a mão de Deus, devemos simplesmente confiar em seu coração. E assim, nós choramos com os que choram, e chegamos com atos de carinho e compaixão. Oramos por aqueles que estão sofrendo e têm experimentado tal perda.

Temas Relacionado:

Choramos pelas crianças perdidas nesta tempestade, assim como nós somos tão gratos por pessoas corajosas que fizeram o seu melhor para salvar vidas quando os ventos se enfureceram. E, oramos: Mesmo assim, Senhor venha.

Dr. R. Albert Mohler Jr. é presidente do Seminário Teológico Batista do Sul – a escola carro-chefe da Convenção Batista do Sul e um dos maiores seminários do mundo.

Lições sobre a bondade de Deus e a realidade do mal

Tempo de leitura: 6 min