Gaio, Demétrio e Diótrefes, lições da 3 epístola de João

Seguramente a terceira epístola de João é o menor livro do Novo Testamento, mas é um importante testemunho de como era a igreja cristã do primeiro século. Os personagens desta carta de João são Gaio, Demétrio e Diótrefes. João apresenta um contraste entre Gaio, um líder cristão para quem efetivamente o apostolo escreve fazendo recomendações e Diótrefes, considerado um líder ímpio e arrogante a quem João tenazmente critica.

As palavras chaves das três epístolas de João são amor e verdade. Amor e verdade fundamentam autoridade ministerial e espiritual, senão vejamos algumas particularidades das três epístolas de João.

Em sua primeira epistola João não se declara como autor, antes evoca o Verbo como autor, criador e mantenedor de todas as coisas. Esta primeira epistola tem a Igreja Universal como destino.

Provavelmente foi escrita entre 85-95 dC. O objetivo de João era oferecer diretrizes para a vida cristã, tendo em vista que a comunidade era assediada com ensinos heréticos de falsos mestres. Os heréticos negavam a natureza divina de Jesus, recusando obedecer-lo e ignorando o seu amor.

A segunda epistola de João é endereçada a Senhora Eleita, refere-se provavelmente a uma igreja consolidada e madura na fé. Israel é apontada na Bíblia como uma virgem, (Filha de Sião), uma mãe e uma viúva. No Novo Testamento é vista como a Noiva de Cristo. João alerta a Senhora Eleita para não admitir falsos mestres em sua casa, o que efetivamente seria admiti-los na comunhão da Igreja.

A advertência de João buscava por fim a apostasia de muitos, embora estes não houvessem sido prontamente identificados. Interessante é que o tom da carta é duríssimo, mas é apresentada numa linguagem exortativa. Posteriormente, escrevendo as Igrejas da Ásia, João notou que o quadro se agravou, e muito. Ap. 2. e 3

Em 2 e 3 João, o apóstolo identifica-se não pelo seu nome, mas com o título “o ancião” O termo poderia descrever a idade do escritor, possivelmente de idade avançada. Tanto judeus como gregos reconheciam nos homens mais velhos maturidade e experiência. Era como se ele dissesse “Considera o que digo, porque o Senhor te dará entendimento em tudo 2 Tm. 2.7.”

Quem era o destinatário da 3 epístola de João?

O destinatário da terceira epístola de João é uma pessoa, no caso Gaio. Este está sendo elogiado pelo esforço e dedicação com a obra de Deus, mas havia situações em que Gaio poderia melhorar, sendo uma delas o pleno apoio a aqueles que sendo missionários itinerantes chegavam e partiam da localidade onde Gaio residia. Não que o abnegado Gaio deixasse de auxiliar a estes irmãos, mas João o estimula a fazer mais por eles, visto que estava na sua capacidade de fazê-lo.

As duas cartas (2 João e 3 João) fundamentam autoridade ministerial e espiritual e trazem amor e verdade como elementos comuns. Em 2 João temos a firmeza do amor. O amor zeloso que preserva e que não deve abrir portas para qualquer pensamento e ação. (5.17; Salmos 119:67).

Gaio estava sendo orientado a ter autoridade espiritual (ternura no amor). Gaio deveria ter discernimento e equilíbrio para aplicar a firmeza no amor ao mesmo tempo em que não poderia descuidar-se da ternura no amor. É vida de pastor não é fácil.

Agora que estabecelemos o ambiente em que se deu a carta, vamos analisar as diferenças entre Gaio, Demétrio e Diótrefes. Siga-me os bons 😛

Os tipos de liderança de Gaio e Diótrefes

A maior parte do relato de 3 João é um contraste entre Gaio e Diótrefes. João escancara a atuação de cada um, enquanto Gaio tinha uma liderança transformacional, centrada na Biblia, Diótrefes mantinha uma liderança autocrática.

Liderança transformacional é o meio principal de influenciar e transformar o outro. O líder transformacional trabalha para transformar os pensamentos e ações de indivíduos, grupos e organizações. Uma arma poderosa usada pelo líder transformacional é o carisma.

O líder autocrático não valoriza as competências, os conhecimentos e os resultados dos seus subordinados, ele arrogantemente toma a decisão e pronto. Cria-se um ambiente em que os liderados são cobrados excessivamente por decisões que efetivamente eles não tomaram participação diretamente. Isto causa um imenso desconforto.

Não que a liderança autocrática seja essencialmente ruim, mas líderes precisam ter autoconfiança para liderar bem. Diótrefes é impulsionado pela necessidade de ser o “primeiro”, de estar em evidência, ter a preeminência. Ele não se sente seguro ao lado de Gaio. O conhecimento da má conduta de Diótrefes havia chegado até João, que repetidas vezes havia escrito a ele, mas os emissários de João eram repelidos.

Diótrefes quer ser a autoridade exclusiva, ele não aceita se submeter a ninguém. Dominador e controlador, ele quer que somente sua opinião seja expressa. Ele ameaça e age preventivamente para se livrar de qualquer um que desafie a sua autoridade. Ele usa da calúnia e fofoca para espalhar falsas acusações. Ele é o avesso de um bom obreiro, ele é egoísta, manipulador e dominador. Diótrefes era uma alma destituída da graça de Deus.

Diótrefes professava a pior das teologias

diótrefes
A arrogância é a pior das teologias. Era a teologia que professava Diótrefes

O problema de Diótrefes não era sua teologia, mas sim sua ambição pessoal, era julgar que ele era o cara, de modo que ele não aceitava nem as diretrizes de João e se opunha tenazmente a qualquer influência externa. Diótrefes tinha um espírito sectário e visão estreita. Ele rejeitava a liderança apostólica de João.

Rejeitar a autoridade apostólica, era rejeitar a doutrinas dos demais apóstolos, era rejeitar o conjunto de orientações, ensinamentos e correções que dava base doutrinária ao Evangelho. (Cl 1:18) Quando pessoas buscam o primeiro lugar na igreja formando pequenos grupos, a igreja pode assumir um palco de ensaios, em que cada grupo faz o seu ensaio individualmente. É aqui que reside a explicação para muitos conflitos na igreja.

Bem, até agora falamos apenas de dois personagens, falta um terceiro que é um exemplo que deve ser seguido por Gaio. Acompanhe-me, vamos saber um pouco de Demétrio. Bora lá 🙂

Demétrio, um líder de bom testemunho

É possível que a influência de Diótrefes estivesse contaminando a Gaio, mas João o exorta a que não imite o mau exemplo daquele, mas sim seguir o exemplo positivo de Demétrio. Carinhosamente, mas de forma firme, João recomenda a Gaio para continuar com sua boa hospitalidade, seguindo os preceitos bíblicos.

João diz “se tem alguém que você deve imitar, esta pessoa é Demétrio, todos dão bom testemunho dele”. Paulo disse que cada um de nós é um imitador (I Co. 11.1). É assim que aprendemos, mas temos de selecionar os nossos exemplos com zelo e cuidado. Que gloriosa recomendação de João!

Demétrio vem com recomendações em três frentes:

  • Demétrio é reconhecido por sua boa reputação e tem um bom testemunho de todos.
  • Demétrio é bem conhecido de João, bem o suficiente para justificar uma forte recomendação pessoal.
  • A recomendação é auto-evidente em sua maneira de viver

Temas Relacionado:

Finalizando, então chegamos à conclusão que as lições das três epístolas de João revelam essencialmente dois tipos de obreiros, a saber, Diótrefes, o homem que embaraçou a obra de Deus e Demétrio, o homem que é um exemplo de obreiro. Lembre-se, Se você levar os padrões e os valores do mundo para a igreja, você vai falhar como um homem

Gaio, Demétrio e Diótrefes, lições da 3 epístola de João

Tempo de leitura: 6 min