Decepcionados com Deus, quando a resposta não vem

Lucas 24. 13-33 nos conta a história de dois discípulos de Jesus, que na manhã de domingo da ressurreição estavam indo para Emaús, talvez a cidade oriunda deles. Essa passagem nos fala de discípulos decepcionados com Deus. Pessoas que andaram com Deus e esperavam mais dEle e de certa forma se decepcionaram. Na verdade por não entenderem o que estava Deus fazendo.

Era a manhã da ressurreição, Jesus já tinha voltado à vida, conforme as Escrituras, mas eles não sabiam disso. Vemos dois discípulos, que deveriam estar aguardando algo em Jerusalém, mas estavam indo embora.

Esses homens estavam largando o evangelho e indo para outro lugar, que não o da benção. Parece que estavam voltando pra casa, para a antiga vida, talvez para os antigos pecados. De qualquer forma estavam decepcionados: esperaram mais de Jesus e ele morreu. Acabou-se a religião, os ensinos, a esperança, o futuro. Ficaram aqueles homens momentaneamente sem direção.

E quantos de nós nos decepcionamos com Deus? O oficio de liderança da Igreja é muito solitário. Muitos são os momentos em que parecemos estar sem direção e sem ajuda de espécie alguma. Nesses momentos deveremos confiar na luz da revelação que já temos na Bíblia. Quando estivermos no escuro não deveremos assumir riscos. O problema pode durar a noite escura toda, mas a alegria vem pela manhã.

Quando não souber o que fazer, espere…

decepcionados

O problema, seja qual for, a luta, a provação, quando vem na noite escura, é fácil de se prever. Não temos direção, não sabemos o que fazer, e nem pra onde ir. Então não faça nada. Na noite escura não enxergamos direito. Quando a manhã chega, e vai chegar, a luz da revelação se faz presente, a Palavra surge, as visões voltam, os profetas de Deus retornam. Saiba que o momento escuro desse momento, requer muita vigilância, esse, é um momento de provação.

Deus retirou por um brevíssimo instante a sua mão, para observar para onde você irá se dirigir. Ou porque um novo tempo está surgindo. Daniel orou para voltarem para Jerusalém e eles voltaram.

Os discípulos decepcionados estavam indo para Emaús. Não esperamos mais de Jesus e não existem tantas horas que parece que Ele nos decepciona? Os discípulos estavam decepcionados. Jesus morreu. Acabou a aventura de ser cristão, não há mais esperanças.

A oração de Daniel, quando velho, nos mostra que ele esteve lendo os antigos escritos e entendeu que era o tempo de Deus trazer de volta o seu povo do cativeiro. Daniel passou então a orar. Ele orou vinte e um dias. Foi coincidência os vinte e um dias, poderiam terem sido mais, ou menos. Ele não fez uma campanha para Deus responder. Esse negócio de campanha é modismo do nosso tempo. A oração de Daniel é uma oração de alinhamento.

A vontade soberana e a permissiva de Deus

O que Deus vai fazer, Ele já está fazendo. Deus é soberano e está dirigindo o seu Reino, Ele sempre o fez. Daniel orou para entender o que Deus fez, não que se Daniel não orasse nada ocorreria, isso não é real. Daniel orou, para saber o que Deus estava fazendo.

Devemos entender a vontade soberana de Deus e a vontade permissiva. Na vontade soberana Deus faz e irá fazer e pronto! Na vontade permissiva, Deus permite que oremos certas coisas e certas coisas ocorrem ou não se orarmos. Isso é um mistério!

A decepção que muitas vezes sentimos é na verdade falta de entendimento do que Deus está fazendo, e Deus está fazendo algo a todo o tempo. A nossa decepção é falta de alinhamento. Mas Deus reconhece à decepção verdadeira, a falta verdadeira de luz, a falta de orientação e ai Jesus em pessoa vem, pois dons e similares são ministérios do Espírito Santo, mas ministérios eclesiásticos são exclusivos de Jesus. E então Jesus vem.

Jesus veio até os discípulos que estavam indos para Emaús e os redirecionou, explicando as Escrituras. (Na falta de luz, vá às Escrituras.) Importava que Jesus morresse como sacrifício para Deus, em prol da humanidade. Importa que algumas coisas ocorram em nossas igrejas, para provar as pessoas, os ministros, o ministério. Importa que seja assim, não se desespere. Deus não perdeu as rédeas de nada. Espere a noite acabar e o dia clarear.

Emaús e a solidão ministerial

Sempre poderemos conversar com pastores amigos, ou com amigos, que parecem pastores. Emaús não é a solução do nosso problema, deveremos enfrentar a nossa Jerusalém, que naquele momento era o local no mundo mais inabitável para um cristão, cheio de soldados romanos sequiosos de matar cristãos, logo após a morte do líder: Jesus. Existem horas que queremos fugir das nossas Jerusaléns, a casa, a família, a igreja, os irmãos.

Numa igreja onde congreguei, surgiu uma frase que dizia que se o cristão está cansado, fatigado, estressado, deve jejuar, para ficar em forma. Achei estranho aquilo. A minha orientação é contrária a essa: quem estiver cansado, que descanse então, vá dormir mais cedo, ou um pouco mais, faça um passeio, tire umas férias rápidas, saia um pouco do ambiente que está causando tantos males, e quase o desviando e longe, ore por ele, pela casa, pela igreja, pelo problema.

Mas descanse um pouco, coma melhor. E ore. Mas ore de verdade, sem tempo para acabar. Ore, assim como é o sentido do jejum. Ore até Deus responder. Quando Deus responder aja. Descanse e ore. Se for necessário delegar funções, então faça.

Aguarde pacientemente a resposta de Deus

A igreja depende de você, mas cansado o que poderemos fazer? Fatigados nós nem conseguimos pensar. Eu tenho comigo que não decido nada quando estou cansado, nada. Não deveremos decidir nada cansados ou estressados, ou pior: sem orientação de Deus. Quem é que está te obrigando a decidir algo sem a orientação de Deus? Não faça isso, nunca. Espere Deus se manifestar. Precisamos de lideres em nossas igrejas orientados por Deus. Já temos um bando de gente louca, para que mais?

O mundo precisa de orientação. Vale muito mais a Palavra, a mensagem pregada, direcionada e revelada por Deus, do que meses de estudo. Mas entenda bem, eu sou um opositor ferrenho da falta de estudo bíblico. Precisamos da revelação, mas isso não exclui o estudo, eu nunca orientaria isso.

Estude a Palavra até ela esteja em você, fazendo parte da sua vida, começar a se revelar. Como é isso? Irmãos, algumas vezes Deus me dá uma Palavra que fica tempos queimando no meu coração, alguns dias, algumas semanas. Estudo o que der daquela Palavra, o que a Bíblia diz, pesquiso na internet, leio livros a respeito, medito, faço esboços. Enfim, faço a minha parte.

Um dia o Espírito Santo chegará com a revelação daquela Palavra. É a palavra estudada profundamente, na revelação, que deveremos pregar. Isso leva tempo, ou tempos. Não tenha pressa de nada. Precisamos entender que não conseguiremos pregar a Bíblia toda.

Saindo de Emaús, direcionados e motivados

Opa! Calma, eu explico. Eu prefiro – entendo que sou direcionado – pregar o Novo Testamento. De uns tempos pra cá tenho pregado mais os evangelhos, pois quero falar mais de Jesus. Quase não tenho pregado as cartas hebréias, apesar de gostar bastante delas também. Não deixo de pregar o Velho Testamento, mas tenho predileção pelo Novo. Você entende que devemos nos aperfeiçoar em algum lugar? Os discípulos voltaram do caminho de Emaús direcionados e motivados pelo próprio Jesus.

Temas Relacionados:

Com certeza Deus quer nos dirigir, mais do que queremos ser dirigidos. Na pior hipótese, já entendemos que a igreja não é nossa, mas de Deus. Na pior hipótese, ainda poderemos pedir a intervenção do Senhor Jesus, em pessoa, sob a sua igreja. E ai, é só vitória.

Paulo Sérgio Lários

Paulo Sérgio é Presbitero, tecnico de informática e escritor

Decepcionados com Deus, quando a resposta não vem

Tempo de leitura: 6 min