A viúva de Zarefate (exemplo de persistência e fé)

Após o ribeiro de Querite haver secado, Elias foi enviado para fora dos limites de Israel. Ele foi para novas cenas com o intuíto aprender novas lições de graça e poder de Deus. “A palavra do Senhor veio a ele, dizendo: Levanta-te, vai para Zarefate, que pertence a Sidom, e habita ali; eis que eu ordenei a uma mulher viúva que te sustente.”

A correspondência e contraste na vida de Jesus não deixará de ser lembrado. Depois que Ele tinha manifestado o juízo sobre a condição moral e cegueira dos líderes, “partiu para as regiões de Tiro e Sidom,”.

Em Zarefate, depois de ter exposto o verdadeiro estado do coração do homem, foi revelado o coração de Deus a uma pobre mulher cananéia, que era destituída de toda reivindicação sobre sua bondade e misericórdia (Mt 15).

Elias foi enviado para a mesma região para ser sustentado, e também para tornar-se o canal da graça de Deus. Demonstrar o mesmo poder da ressurreição.

Duas coisas podem ser observadas no comando que ele recebeu. Aprendemos em toda parte nas Escrituras, que quando o povo de Deus cai em uma condição de apostasia, e recusam Seu testemunho, Ele se vira, por assim dizer, para aqueles que estão de fora, e lá expõe a soberania de sua graça.

O próprio Senhor lembrou seus ouvintes na Sinagoga de Nazaré deste fato, e citou em seu apoio este mesmo caso da viúva de Zarefate, bem como a de Naamã, o sírio. (Atos 13. 46). Assim foi com Elias, Israel não quis ouvir a sua mensagem, e o Senhor o mandou para uma temporada para aquele que era um alienígena da comunidade de Israel. Um estranho às alianças da promessa. Mas no próprio serviço, sobre o qual ele foi enviado, sua própria fé foi testada.

A expressão “viúva” nas Escrituras

viúva de zarefate
Cena do encontro entre Elias e a viúva de Zarefate

Uma viúva é expressiva nas Escrituras de quem está desolado e sem recursos. Foi para a uma viúva que Elias teve que ir para receber apoio, para que pudesse aprender a lição para si mesmo, qualificá-lo para o seu trabalho futuro. Quando todos os fluxos criados se extingue, a plenitude de Deus permanece imutável.

Uma marca infalível de um verdadeiro servo é a obediência. Quando Elias foi ordenado a esconder-se junto ao ribeiro de Querite, “ele foi e fez conforme a palavra do Senhor”. Agora, a ordem de ir para Zarefate, “ele se levantou e foi para Zarefate.” Esta obediência simples e inquestionável justificou a sua afirmação de que ele “estava” diante do Senhor Deus de Israel.

O próprio termo “servo” implica sujeição à vontade de outrem; e nesta mesma conta, temos a apresentação do Servo perfeito naquele que não veio para fazer a sua vontade, mas a vontade daquele que o enviou.

Nunca se deve esquecer que a obediência é o sinal do poder. Se solicitado a especificar a maior demonstração do poder a serviço de Elias, muitos se referem à cena no Monte Carmelo, onde ele desafiou os sacerdotes de Baal para provar a existência do seu Deus.

Quando em seu fracasso, depois que o Senhor havia justificado seu servo enviando fogo do céu para consumir o sacrifício, ele ordenou que todos fossem mortos. Mas o verdadeiro poder espiritual, silencioso e constante, é muito mais conclusivamente demonstrado ao olho espiritual pela obediência à vontade de Deus.

A viúva se surpreende com o pedido de Elias

Chegando em Zarefate, ele foi imediatamente colocado em contato com a pobre viúva que era para ser sua anfitriã. Lá estava ela, na porta da cidade “apanhando lenha.” A fé de Elias não havia percebido nenhuma dificuldade, seja em sua aparência, ou na pobreza evidente de suas circunstâncias.

Ele sabia que ela tinha sido ordenado para sustentá-lo, portanto, repousa sobre a certeza da palavra do Senhor. Ele pediu para ela ir buscar um pouco de água num vaso, para que pudesse beber. Enquanto ela ia buscar a água, ele acrescentou mais um pedido: “Traga-me, peço-te, um bocado de pão na tua mão.”

Este segundo pedido foi usado para provocar a condição em que foi encontrado esta pobre viúva. Ela revela sua situação: “Como o Senhor teu Deus vive, não tenho nem um bolo, senão somente um punhado de farinha numa panela, e um pouco de azeite numa botija; eis que estou apanhando uns dois gravetos, para que eu possa ir e prepará-lo para mim e para o meu filho, para que o comamos, e morrer.”

Ela tinha chegado ao fim de todos os seus recursos, e para ela e seu filho, havia apenas a perspectiva da morte. Ainda assim era a esta viúva pobre que Elias foi enviado para ser sustentado.

Sempre que Deus ordena, Ele dá o poder para a obediência, se é que podemos receber. Assim, no caso desta pobre viúva; seu próprio estado de alma é a primeira coisa trazida à luz. Sua obediência e confiança em Deus devem ser testadas. Assim, não obstante a sua declaração de pobreza absoluta, Elias disse: “Não temas; vá e fazes como disseste, mas me faz um bolo pequeno em primeiro lugar, e traga-o para mim, e depois farás para ti e para teu filho.”

A fé é irracional para uma mente natural

Quão difícil e irracional tal pedido teria parecido para a mente natural, que a incredulidade poderia ter dito nunca deveria ser preferido. Ele, porém, sustentou a fé da viúva com uma firme palavra de promessa: “Porque assim diz o Senhor Deus de Israel, a farinha da panela não se acabará, nem da botija o azeite faltará, até o dia em que o Senhor dê chuva sobre a terra.”

Se todas as coisas são possíveis para Deus, todas as coisas são possíveis ao que crê; e, consequentemente, a viúva, confiando em Deus “foi e fez conforme a palavra de Elias”.  A declaração a seguir: “E ela, e ele, e a sua casa, comeu muitos dias E a farinha da panela não se acabou, nem o azeite da botija faltou, conforme a palavra do Senhor, que ele falara por intermédio de Elias.”

Há quatro destaques nestas palavras que são dignas de atenção. O primeiro é que, se Deus mandou a viúva para sustentar Elias, Ele mesmo lhe fornecia os meios de fazê-lo. O segundo é uma consequência do primeiro, uma vez que usamos o que temos para o Senhor, nossas possibilidades se multiplicam. Pode dar alguma coisa ao Senhor sem colher uma recompensa abundante?

Terceiro é que, em vez de o filho ser mencionado, é agora “sua casa”, ilustrando caminhos da graça de Deus com o Seu povo para abençoar suas famílias através das cabeças. Assim, se Obede-Edom recebeu a arca em sua casa, o Senhor abençoou Obede-Edom, e a toda a sua família. 2 Sm. 06. 11

Lições do barril de farinha e botija de óleo

Da mesma maneira, se Elias morava com a viúva, sua casa partilhava da bênção. Quarto destaque, Deus vai ampliar sua própria fidelidade. Sua palavra tinha prometido, e de acordo com a Sua palavra a bênção veio. Que há uma importação sobrenatural no barril de farinha e a bilha de óleo poucos duvidarão. O primeiro aponta para Cristo e o último para o Espírito Santo. E a lição é dupla.

Em primeiro lugar, somos ensinados que todas as nossas necessidades são abundantemente supridas em Cristo e no Espírito Santo, enquanto a fé está em atividade. A viúva creu na palavra do profeta, e ela foi, na obediência da fé, e fez conforme a palavra de Elias. Como consequência foi que “ela, e ele, e a sua casa, comeu muitos dias.”

Cristo é todo suficiente em nossas necessidades mais profundas e, no entanto, não podemos nos valer dos recursos que temos nEle além da fé. Em segundo lugar, aprendemos que, cortados das ministrações ordinárias da bênção (a chuva que está sendo retida, (Amos 4. 07, 8), e isolado de toda a comunhão cristã, o Senhor vai prover o suficiente para nós, no poder do Espírito Santo.

Pode haver tanto escassez e seca, mas é privilégio do crente satisfazer-se nas fontes de bênção, ao descobrir que todas as suas fontes estão no próprio Senhor.

Outra experiência traumática

Uma nova e inesperada experiência aguardava a viúva de Zarefate, e uma bênção ainda maior. Ela havia recebido socorro e libertação através da visita e permanência de Elias, mas estava agora a aprender, de uma forma ainda mais profunda, a natureza daquele que tinha tão graciosamente cuidado dela.

A morte – a morte que é o fim de todas as esperanças humanas – entrou em sua casa. Seu único filho, a luz e a alegria de sua vida, como o filho da viúva de Naim, adoeceu e morreu, e ela ficou desolada e triste.

Se a espada entrou em sua alma, era ainda na misericórdia, pois através dela, na própria pungência de sua dor, ela aprendeu que estava na presença de Deus (v. 18); e é aí que ela estava preparada para mais bênção. Pois até que cheguemos ao fim de si mesmo, não podemos apreender o que Deus é para nós em estado de graça.

No momento em que a lição a respeito de si mesma foi aprendida, Deus entrou, e por meio de Elias, e em resposta à sua oração, ressuscitou o filho da viúva de volta à vida, e o profeta o “entregou a sua mãe.” (Lc 7. 15). O Senhor, assim, revelou a sua alma como o Deus da ressurreição. Estabelecendo-a assim na verdade, e confirmando a sua fé, fazendo com que ela descanse sobre uma base, que, por ser além da morte , é para sempre imutável.

Temas relacionados:

O efeito foi o de demonstrar, sem sombra de dúvida, o personagem de Elias como um homem de Deus, e a certeza da palavra do Senhor, como falado por ele.

Artigo traduzido do original em inglês The widow of Zarephath

A viúva de Zarefate (exemplo de persistência e fé)

Tempo de leitura: 7 min