A identidade de gênero é uma perversão moral?

O tema identidade de gênero tem inquietado muito gente no meio social, e por que não no meio dos cristãos católicos e evangélicos. Mas, o que podemos entender sobre o assunto, ou o que significa “identidade de gênero”, e qual impacto pode causar na sociedade essa ideia?

Há anos que o PT e alguns seguimentos políticos aliados a suas ideias veem impondo uma política de transformações sociais, com ideias absurdas e que vão contra o conceito de família. Tudo o que já tentaram fazer, com projetos de leis que afrontam a sociedade, e não satisfeitos criam outras formas de controle e divisão. Uma delas é a identidade de gênero.

Segundo a Wikipédia, identidade de gênero se refere ao gênero em que a pessoa se identifica (i.e, se ela se identifica como sendo um homem, uma mulher ou se ela vê a si como fora do convencional). Mas pode também ser usado para referir-se ao gênero que certa pessoa atribui ao indivíduo tendo como base o que tal pessoa reconhece como indicações de papel social de gênero (roupas, corte de cabelo, etc.).

A ideologia de gênero contrapõe-se a natureza identitária do ser humano (homem e mulher)

identidade de gênero

Como cristãos, respeitamos tudo o que é lícito do ponto de vista ético e cristão, mas também temos o direito de discordar e não aceitar aquilo que afronta a Palavra de Deus. É justamente a questão elencada na sociedade. Grupos esquerdistas querem criar leis que contrariam o conceito de “família”. Eles sustentam a ideia de que a criança nasce e pode escolher ser o que ela quiser e não o que é por nascimento.

Ou seja, se uma criança nasce do sexo feminino, pode não aceitar e deve mudar de sexo, neste caso para o masculino. Então, você pergunta de onde vêm esses absurdos? Responderemos de forma explicita, daqueles que são perversos e que não respeitam o que Deus determinou. Não respeitam a natureza da criação e de forma perversa lutam para satisfazer seus intentos e com isso destruir a família, entendemos por regra é que Deus “criou macho e fêmea”.

O que a ciência diz sobre a identidade de gênero

Se uma criança nasce do sexo masculino ou feminino, a ciência comprova a respectiva identidade até o fim de suas vidas. Não existe uma metamorfose. Não pode haver transformações de identidade, pois se alguém usa fazer o contrário disso é porque está movido pelas influências não naturais do ponto de vista da criação. Portanto, quem nasce do sexo feminino ou masculino sempre terá a mesma identidade. Jamais deixará de ser o que são por nascimento.

E diante disso, que diferença faz isso? É que de forma clara responderemos. Identidade de gênero é imposição forçada pelo sistema perverso e contrário a obra da criação de Deus. Há no Congresso Nacional projetos de leis que afrontam a Constituição, o Código Civil brasileiro, e acima de tudo a Igreja.

Esta atitude é tão perversa que chega até ser ridículo. Isso é uma afronta até aos direitos fundamentais do ser humano. Imagine uma criança que nasce de um determinado sexo, e querem que se imponha a ela o que deve ser ou não, com apetrechos dos mais absurdos, contrariando e criando uma confusão na mente da criança.

Temas Relacionado:

Pessoas possuídas pelo espírito de Satanás querem forçar esta mudança. Elas vem jogando suas setas malignas para destruir os planos de Deus, causando a destruição da família. Deus criou “homem e mulher”, o contrário disso é perversão. Quer eles queiram ou não, não vamos permitir uma perversidade contra a família. Oremos a Deus, e agiremos sem nenhum temor. Lutaremos pela família cristã e sua verdadeira identidade.

José Roberto de Melo

Pr. José Roberto de Melo é Bacharel em Teologia, Professor, Escritor e Graduado em Direito

A identidade de gênero é uma perversão moral?

Tempo de leitura: 3 min