A assombrosa cura do paralítico de Cafarnaum

A cura do paralítico de Cafarnaum como narra o Evangelho de Marcos nos ensina sobre a fé da comunidade. Às vezes agimos como se os pecados fosse apenas marcas pretas contra nós no livro de Deus, os créditos das nossas ações também conta. Mas a história do evangelho do paralítico de Cafarnaum (Mc 2. 1-12) deve nos despertar para a verdadeira natureza do pecado.

O pecado é mais do que um demérito, é o distanciamento de uma pessoa de Deus, que é a nossa fonte de vida e energia. O Espírito Santo de Deus é “a força” que deve estar conosco, se quisermos ter vida, força e vigor.

O pecado é sempre um resultado de uma decisão. O Pecado Original, que flui a partir da trágica decisão de Adão e Eva, nos leva a herdar uma humanidade debilitada que, a partir do momento da concepção, é distanciado de Deus.

Algumas decisões podem cortar-nos por completo da fonte de vida divina. Chamamos essas decisões “mortal.” Algumas decisões não extinguem a vida divina, mas enfraquece-a. Tais pecados são chamados de “venial”.

A cura do paralítico de Cafarnaum

Mas se original ou real, mortal ou venial, o pecado sempre drena a vida diretamente de nós. Enquanto caminhamos para longe de Deus, diminuimos espiritualmente cada vez mais fracos, até chegarmos ao ponto em que já não temos a força para caminhar de volta para casa do nosso Pai.

Quando Jesus voltou para Cafarnaum depois de sua primeira viagem missionária, as pessoas reuniram-se para ve-lo. Mas um homem paralítico não podia se juntar à multidão, ele apenas ficou lá olhando as pessoas passarem por ele. Até que, alguns de seus amigos se importarem o suficiente para buscá-lo e trazê-lo para Jesus.

Mas, então, se depararam com um problema a multidão era tão espessa que eles não poderiam fazer o seu amigo passar através da porta. Eles poderiam se consolar, porque eles tentaram, em seguida levar ia o pobre homem para casa. Mas eles estavam mais determinados do que isso. Eles o içaram para cima do telhado, abriram um buraco na palha, e baixou-o para baixo.

O evangelho de Marcos faz um comentário curioso neste momento. “Vendo a fé”, ele diz, Jesus volta-se para o paralítico e diz-lhe que os seus pecados estão perdoados. Primeiro de tudo, note que a fé é algo que deve ser visível.

Operarios de fé conseguem qualquer coisa

Os quatro operadores da maca acreditavam que Jesus era, no mínimo, um poderoso homem de Deus, que poderia ajudar seu amigo. Mas essa crença se manifestou firme e persistente, a ação visível. Deus quer contratar operadores de maca para que leve doentes ao leito de operação para que sejam curados.

Claro, esta fé foi unida com a caridade, já que eles tinha ido tão longe não para si mesmos, mas para o seu amigo infeliz. Observe, porém, que não era a fé do paralítico que motivou a decisão de Jesus de perdoar o seu pecado. Foi a fé de seus amigos. Talvez sua paralisia física era um sinal de absoluta paralisia espiritual, talvez ele não tivesse forças para fazer um ato positivo de fé.

A paralisia mais mortal é a paralisia do pecado

paralítico-de-cafarnaum

Mas os fariseus, opuseram-se a autoridade de Jesus para curar a doença, para acabar com o seu passado e dar-lhe um novo começo (Is 43. 18-25). Jesus demonstra sua competência por curar a doença física também. Jesus não diz “sim” para as nossas necessidades espirituais e diz “não” às nossas necessidades terrenas (2 Co 1. 18-22). Ele nos criou corpo e alma e deseja que tenhamos a plenitude da vida, em cada departamento. Que a tenhamos em abundância. João 10:10

Deus quer perdoar mais do que nós sentimos vontade de sermos perdoados. Deus sabe que a falta de perdão causa doenças da alma. A alma enferma, se não houver perdão. O paralítico que desceu pelo teto numa maca, perante Jesus, primeiro teve que ser perdoado, para depois andar.

O paralítico de Cafarnaum que teve que ser levado para Jesus, afastou-se levando a sua própria maca e livre como um passarinho. A cura nunca teria acontecido, no entanto, se os seus amigos cheios de fé não se importasse o suficiente para arriscar a parecer ridículos para trazê-lo para Jesus. Resolvido o problema da alma, que engessou o homem, que o atrofiou, o diminuiu, o apequenou, o homem voltou à ativa. E levantar e pegar a sua cama assiste em assumir os riscos da responsabilidade novamente.

Temas Relacionado:

Ele voltava à sociedade, ao trabalho, à família, às suas contas. Pegar a sua cama, tinha o significado incrível de que ele agora era dono do seu destino. Até então era um homem comandado, ou escravizado por uma cama, ou uma maca, agora ele pegava o seu problema o enrolava debaixo do braço e partia rumo à vida.

Dr. Marcellino D’Ambrosio

Dr. Marcellino D’Ambrosio é Ph.D. em teologia histórica da Universidade Católica da América

A assombrosa cura do paralítico de Cafarnaum

Tempo de leitura: 4 min