10 grandes lições do livro de Jonas

O livro de Jonas apresenta 10 lições atemporais. O relato é validado por Cristo, mostrando a soberania do Senhor, que manifesta seu interesse por todas as pessoas. Mostra ainda que Deus está no controle de todas as coisas, e que a humanidade é responsável perante o Senhor. No entanto, as pessoas podem mudar através de uma pronta ação, o arrependimento.

A consequente separação de Deus, leva a punição e ao fogo eterno, isto é, o inferno. O livro mostra ainda que a profecia de Deus é condicional.

O profeta Jonas viveu na cidade galiléia de Gate-Hefer (cerca de quatro milhas ao norte de Nazaré), durante o reinado de Jeroboão II (793-753 aC), rei de Israel (2 Rs 14. 25). Jeroboão II era o rei mais poderoso do norte de Israel, e durante sua administração as fronteiras da nação foram expandidas para sua maior extensão desde a época de Davi e Salomão.

A Assíria, no entanto, quinhentas milhas a leste, era uma ameaça constante. O fato é que, devido à rebelião progressiva de Israel, os profetas Oséias e Amós, contemporâneos de Jonas, tinha declarado que Deus usaria a Assíria como instrumento de punição contra o seu povo. Os 11. 5; Am 5. 27

Podemos imaginar, portanto, a consternação que deve ter enchido o coração de Jonas quando ele recebeu a palavra do Senhor instruindo-o a proceder a Nínive, a capital da Assíria, com uma mensagem divina.

Resistência de Jonas

livro de jonas

Jonas estava ciente do fato de que Jeová é um “Deus compassivo e misericordioso, longânimo e grande em benignidade” (4. 2). Por isso, era certo que, se os habitantes dessa grande cidade fossem responsivos à sua mensagem, o Senhor certamente os pouparia. Qualquer israelita patriótico teria desejado a destruição da Assíria! Ele não queria que Nínive fosse poupada.

Assim, ele seguiu para Jope, onde embarcou em um navio com destino a Társis, uma colônia fenícia na costa sudoeste da Espanha cerca de duas mil milhas a oeste. O projeto expresso de sua viagem foi para fugir da presença do Senhor (1. 3). Mas, como todo estudante da Bíblia sabe, seus planos logo foram frustradas. Quando os homens fazem planos, Deus pode desfazer-los!

Quando uma grande tempestade se levantou, e os internos do navio temiam por suas vidas, Jonas confessou que ele, como um refugiado do Senhor, foi a causa da calamidade. Embora os companheiros de vela do profeta não tenham gostado da idéia, eles finalmente foram forçados a aceitar a sugestão do profeta para que ele fosse atirado ao mar.

Ele caiu nas profundezas escuras da alga mediterrânea, girando sobre sua cabeça (2. 5). Ele foi devorado por uma grande criatura das profundezas. Quase se pode dizer que o Senhor enviou Jonas para a escola por três dias, e a sala de aula foi a barriga de um grande monstro marinho. O profeta teve um excelente aproveitamento das aulas, graduando-se com um diploma de “responsabilidade missão”!

Jonas prega a Nínive

Seguindo seu caminho a Nínive, uma viagem que teria levado mais de um mês e, assim, tempo suficiente para uma reflexão sóbria. Jonas entrou na cidade com uma mensagem direta (que consistia em apenas cinco palavras no texto hebraico): “Ainda quarenta dias, e Nínive será subvertida.” Surpreendentemente, houve arrependimento em massa, a partir do rei (Ashur-dan III, de acordo com registros assírios) até o plebeu.

Jonas ficou bastante perturbado com o rumo dos acontecimentos e ele se desesperou, até mesmo ao ponto de querer morrer. Resolutamente, ele permaneceu no topo de uma colina nas proximidades, observando atentamente a cidade na esperança de que o Senhor ainda a destruiria. Sua educação era ainda incompleta!

Como ele se sentou sob o sol escaldante, Deus fez uma videira com sombra para crescer acima para seu refresco e o profeta estava feliz. No dia seguinte, porém, o Senhor enviou um verme para ferir a vinha de Jonas. Com o sol escaldante a bater na cabeça, o homem de Deus novamente caiu em um estado de depressão abjeta.

Então veio dura repreensão do Céu. O Senhor de fato disse: “Jonas, por que é que você está tão preocupado com esta videira, mera planta que é temporal, e para o qual você não fez trabalho; e, no entanto, você não evidencia absolutamente nenhuma preocupação para com os habitantes infelizes de Nínive?” O inquérito penetrante jogou um holofote divino sobre os valores patéticos do homem de Gate-Hefer.

10 lições atemporais do Livro de Jonas

O livro de Jonas é preenchido com informações valiosas e lições atemporais. Talvez pudéssemos refletir sobre alguns desses assuntos.

1- A história de Jonas validada por Cristo

Em primeiro lugar, devemos notar que esta narrativa maravilhosa sofreu o impacto de farpas dos críticos por um longo tempo. Por causa do incidente do profeta sendo engolido pela criatura no mar, muitos estudiosos modernos argumentam que o documento é pura ficção. Jesus Cristo, no entanto, apelou para a narrativa como uma verdadeira história (Mt 12: 39-41), e isto resolve a questão para todos os que têm qualquer respeito pela divindade do Salvador.

Afora o fato de que este evento, sem dúvida, envolveu um milagre, as circunstâncias não estão além do reino da possibilidade até mesmo de um mirante natural (como empregados nas operações providenciais de Deus). De fato, um número de processos semelhantes têm sido documentados em tempos relativamente modernos.

No início dos anos 1900, um marinheiro foi engolido por um grande cachalote perto das Ilhas Falkland. Depois de três dias, ele foi recuperado, inconsciente, mas vivo, embora houvesse algum dano a sua pele. Alguns, no entanto, contestam a credibilidade desta história.

Além disso, alguns críticos argumentam que o livro de Jonas retrata o profeta como sendo engolido por um “grande peixe” (1. 17), enquanto o Novo Testamento sugere que a criatura era uma “baleia” (Mt 12. 40). E, como qualquer criança sabe, uma baleia é um mamífero, e não um peixe.

(A falácia desse argumento mal concebido reside no fato de que tanto a palavra hebraica dag, e a palavra grega Ketos, são termos genéricos que podem ser aplicadas a qualquer criatura aquática). Não há erro aqui.

2- A soberania do Senhor

O livro de Jonas demonstra a soberania do Todo-Poderoso como ele emprega sua criação para realizar o plano divino. O Senhor controlava os elementos do clima (1. 4, 11, 13, 15; 4. 8). Ele preparou no mar uma criatura, uma videira, e criou outras condições para concluir o seu objetivo (1. 17; 4. 6, 7).

3- O interesse de Deus em todas as pessoas

Este documento inspirado revela o interesse internacional de Deus, mesmo na era mosaica. Embora o Senhor estivesse trabalhando principalmente através da nação hebraica como um instrumento para o envio da Semente prometida (Gn 22:18), no entanto, a sua compaixão por todos os povos da terra foi abundantemente manifestada. E o envio do “missionário”, Jonas, a estes gentios ninivitas foi uma clara demonstração disso.

4- Deus está no controle

Esta narrativa ilustra uma verdade tão frequentemente sugerida no Antigo Testamento. O Senhor, não o homem, está no controle do destino das nações. As regras nos reinos dos homens são descartadas de acordo com a norma divina (Sl 22. 28; Pv 14. 34; Dn 2. 21; 4. 17). Aqueles que pensam que as nações permanecem ou caem por causa de uma “forte defesa nacional” são lamentavelmente ignorantes dos princípios bíblicos.

A Nínive foi dada quarenta dias para se arrepender. Como resultado, a nação foi poupada da destruição por cerca de um século e meio. Mais tarde, porém, quando a Assíria degenerou novamente, ela foi destruída e o profeta, Naum, aborda este mesmo assunto. Nínive caiu para os babilônios em 612 aC

5- A humanidade é responsável perante o Senhor

O livro de Jonas demonstra que os povos antigos que estavam fora dessa relação de aliança mosaica com Jeová foram responsáveis perante a lei moral de Deus. O Senhor olhou para cima Nínive e observou a iniquidade deste povo (1. 2). Desde que o pecado é a transgressão da lei divina (1 Jo 3.  4; Rm 4. 15), os ninivitas eram, obviamente, sujeita a tal.

Esta poderosa verdade está em conflito direto com a teoria moderna que afirma que aqueles que estão “fora da igreja” não estão sujeitos à lei do casamento de Deus (a concepção de que é para regular a moralidade humana – Coríntios 7. 1 e ss; Hebreus 13. 4). O propósito deste novo conceito, é claro, é para justificar relações adúlteras dentro da família de Deus!

6- As pessoas podem mudar

Este registro revela o poder inerente à palavra de Deus quando essa entra em contato com corações honestos e bons (Lc 8. 15). Embora a mensagem de Jonas tenha sido muito breve (como indicado acima), ela produziu o efeito desejado. Mais uma vez, alguns críticos têm contestado o relato, neste ponto, alegando que um sermão tão insignificante dificilmente poderia ter produzido os resultados descritos. Mas a objeção, que decorre estritamente a partir de viés subjetivo, ignora a evidência bíblica, não menos do que é o testemunho de Cristo que “os homens de Nínive se arrependeram com a pregação de Jonas.” Mt 12. 41

Além disso, registros históricos revelam que a notável cidade tinha sofrido pragas graves em 765 e 759 aC. O solo, portanto, tinha sido condicionado para o avivamento de Jonas. Também, de alguma forma ou de outra, os cidadãos de Nínive tinha conhecimento da “ressurreição” do profeta do ventre do “peixe”. Como Jesus observou, Jonas era um “sinal” para que a geração assim como o Senhor levantado fosse a sua. Lc 11. 30

7- Arrependimento requer pronta ação

Fica evidente nos dois relatos uma dimensão importante ao arrependimento, a pronta ação. Jesus declarou que “os homens de Nínive se arrependeram com a pregação de Jonas” (Mt 12. 41). O próprio livro de Jonas nos informa que Deus “viu as suas obras [o povo de Nínive] e que se converteram de seu mau caminho”. 3. 10

Assim, o arrependimento não é, como alguns alegam, uma mera tristeza pelo pecado. Pelo contrário, ela requer uma ação, um afastamento da má conduta. Essa passagem revela que o arrependimento é uma ação efetiva. Sendo o arrependimento essencial para a salvação (Lc 13.  3,5; At 17. 30), conclusivamente a salvação não é exclusiva de todos os tipos de obras!

8- A punição do Inferno

livro de jonas
Eu chorei por causa da minha aflição ao Senhor. . . Do ventre do inferno gritei. 2: 2

Uma passagem intrigante no livro de Jonas ilustra um ponto vital sobre a punição dos maus após a morte. Em linguagem graficamente poética, o profeta agonizante descreveu sua provação horrível na barriga do monstro marinho como uma experiência semelhante a estar no “inferno.”

O registro “clamando” por causa da aflição certamente indica consciência do sofrimento, pode-se concluir que o estado dos mortos ímpios é de tormentos conscientes, o que é afirmado em outras partes do registro sagrado. Lc 16. 23; 2 Pe 2.  9

9- Profecia condicional

A mensagem de Jonas a Nínive revela que a profecia é, por vezes, condicional. O profeta declarou que a grande cidade seria destruída em quarenta dias. Mas sobreviveu durante um século e meio para além desse período. Claramente, portanto, a previsão de condenação foi condicionada na resposta de Nínive à mensagem profética. Milenistas faria bem em aprender com este princípio da profecia.

Por exemplo, a Israel foi prometido uma herança da terra de Canaã. Essa promessa, no entanto, foi condicionada à sua fidelidade a Deus (Js 22. 4,5; 23. 1 e ss), e o tempo finalmente veio quando eles perderam a escritura para a Palestina.

10- Tipologia no Livro de Jonas

O livro de Jonas apresenta um belo tipo da ressurreição de Cristo dentre os mortos. Apesar de que alguns modernistas argumentam que o conceito de uma ressurreição corporal de Cristo dentre os mortos era desconhecida nos tempos do Antigo Testamento, Jesus demonstrou o contrário. Ele declarou:

“Como Jonas esteve três dias e três noites no ventre do monstro marinho; assim o Filho do homem três dias e três noites no coração da terra” (Mt 12. 40). Claramente, o Senhor viu o sepultamento de três dias de Jonas como um prenúncio da sua ressurreição da sepultura, pelo que, naturalmente, Cristo foi declarado ser o Filho de Deus com poder. Rm 1. 4

Temas Relacionado:

Em sua epístola aos Romanos, Paulo escreveu: “Para as coisas que foram escritas outrora [isto é, as Escrituras do Antigo Testamento] foram escritas para nossa aprendizagem que, pela constância e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança.” Rm 15. 4

Certamente os pontos precedentes da verdade, assim como adquirida a partir do livro instrutivo de Jonas, são ilustrativos da verdade desta rica passagem.

Wayne Jackson

Artigo traduzido do original em inglês 10 Great Lessons from the Book of Jonah

10 grandes lições do livro de Jonas

Tempo de leitura: 9 min